15ª edição da Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa começou nesta segunda-feira no TJES

Grupo de pessoas com trajes formais se encontram de pé e perfiladas em respeito ao hino nacional. todas estão atrás de uma mesa decorada com flores dentro de um grande auditório.
A solenidade de abertura contou com palestra do terapeuta familiar Emerson Mafessoni, inauguração do projeto “Mulher superando o medo” e apresentação do Instituto Psicologia para todos.

Nesta segunda-feira, 25, o Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (Tjes) deu início a mais uma Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa.

A abertura da 15ª edição do evento, ocorrida no salão pleno do Tribunal de Justiça, contou com uma palestra do terapeuta familiar Emerson Mafessoni, que apresentou o Instituto homens livres, organização que busca atender homens condenados pela justiça ou que geram risco para a família por meio da utilização de álcool, drogas e violência.

Também foram realizadas, no evento, a inauguração do projeto “Mulher superando o medo”, idealizado pela economista e empresária Isabel Berlinck com o objetivo de conscientizar e fornecer atividades práticas para o combate do ciclo de violência contra mulheres e a exposição do tema “cooperação técnica no atendimento psicológico a mulheres vítimas de violência doméstica e seus familiares” pela co-fundadora e presidente do Instituto Psicologia para Todos, Felismina Augusta Teixeira.

A mesa de honra da solenidade de abertura foi composta pelo supervisor das varas criminais e de execuções penais e violência doméstica, desembargador Fernando Zardini Antonio, a vice-presidente da associação dos magistrados do Estado (Amages), desembargadora Janete Vargas Simões, a coordenadora estadual da mulher em situação de violência doméstica e familiar, juíza Hermínia Maria Silveira Azoury, a representante da Associação brasileira de mulheres de carreiras jurídicas e do Ministério Público Estadual (MPES), a procuradora do Ministério Público Estadual Catarina Cecin Gazelli, a deputada federal Soraya Manato, o 2° secretário da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), deputado estadual Emilio Mameri, o prefeito de Vila Velha Max Filho, a subsecretária de política para mulheres Juliane Barroso, representando a secretária de Estado de direitos humanos Nara Borgo e, pelo Ministério Público do Trabalho, Thais Borges da Silva.

O supervisor das varas criminais e de execuções penais e violência doméstica, desembargador Fernando Zardini Antonio, cumprimentou a mesa de honra, enfatizando a importância de mais uma edição do evento.

“Quero saudar de forma carinhosa essa mesa de abertura da 15ª Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa e agradecer efetivamente a cada um presente aqui neste dia. Cada evento deste é uma semente que se planta. Cada evento deste é uma oportunidade de interagir e estabelecer novas parcerias que nos permitam vislumbrar, a curto e médio prazo, a realização de políticas que nos apresentem um futuro melhor, com menos violência e mais educação”, enfatizou o desembargador supervisor.

A coordenadora estadual da mulher em situação de violência doméstica e familiar, juíza Hermínia Maria Silveira Azoury, agradeceu a todos os apoiadores e colaboradores que participaram da organização da Semana.

“Agradeço todo o apoio, todo o incentivo. É mais um desafio, mais uma semana nacional, mais uma luta, mas nós somos do tipo que não desiste. O que temos a dizer é que será uma semana de muito trabalho e que esses trabalhos sejam profícuos e deem bons resultados ao jurisdicionado. Quero agradecer de uma forma muito especial a cada um que faz parte desse evento”.

A deputada federal Soraya Manato também parabenizou a iniciativa.

“Esse ano a Lei Maria da Penha completa 13 anos, e apesar de todos os esforços, os números de violência doméstica e feminicídio no Espírito Santo ainda são alarmantes. O medo, a vergonha e a dependência emocional e financeira ainda são pontos impeditivos para mulheres vítimas denunciarem seus agressores. O sofrimento é silencioso e pode culminar em tragédia maior como a morte ou trauma psicológico. Por isso, a importância dessa mobilização nacional que envolve todos os tribunais do país”.

Após os cumprimentos iniciais, o terapeuta familiar Emerson Mafessoni ministrou palestra sobre a figura dos homens na sociedade atual e a importância do combate ao machismo e outras formas de segregação entre homens e mulheres, uma vez que a Constituição Federal estabelece a igualdade de direitos e deveres entre eles.

Em seguida, foi assinado um termo de cooperação entre o Tribunal de Justiça, por meio do supervisor das Varas criminais e de Execuções Penais e Violência Doméstica do TJES, desembargador Fernando Zardini e da coordenadora estadual da mulher em situação de violência doméstica e familiar, juíza Hermínia Azoury, e o prefeito de Vila Velha Max Filho, a secretária municipal de assistência social de Vila Velha, Ana Cláudia Simões, o subsecretário de saúde de Vila Velha, Jarbas de Assis Júnior e o Instituto Win, representado pela economista Isabel Berlinck e por Cyntia de Jesus Miranda.

A economista e empresária Isabel Berlinck apresentou o projeto “Mulher superando o medo”, programa com o objetivo de promover a paz, prevenção, resolução de conflitos e inclusão, por meio de ações psicossociais de combate à violência doméstica. A iniciativa criada pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comvides) em parceria com o Instituto de Inovação Win, conta com atendimentos individuais, levantamento das demandas psicológicas e encaminhamento para o Centro de Atendimento à Vida (CAV) e para o Centro de Referência Especializado em Atendimento à Mulher Vítima de Violência em Vila Velha (CRANVIVE). O programa também desenvolveu um aplicativo financeiro de controle de finanças das usuárias que produzem algum tipo de renda como uma forma de quebrar o ciclo de dependência com os agressores. O software também envia mensagens motivadoras para que elas se sintam incentivadas a não continuar em um ambiente violento. Tudo isso é possível devido ao aporte financeiro do Rotary Internacional e da Fundação Rotária.

Após a inauguração do projeto, a co-fundadora e presidente do Instituto Psicologia para Todos Felismina Augusta Teixeira encerrou a abertura, conversando com os participantes do evento sobre a importância de quebra do ciclo de violência. A psicóloga explicou como ocorreu o surgimento do Instituto, a partir de uma demanda de mulheres que enfrentavam a violência doméstica.

Saiba Mais

De 26 a 29/11, as mulheres vítimas de violência poderão buscar informação e atendimento no ônibus rosa do Juizado Itinerante da Lei Maria da Penha das 09 às 17 horas, na Praça Otávio Araújo, em frente ao Fórum da Prainha, em Vila Velha.

As mulheres contarão com análise de pedidos de medidas protetivas, serviços de atendimento social e psicólogo; e expedição de Boletins de Ocorrência (BO), com o apoio da Secretaria Municipal de Ação Social e da Delegacia de Atendimento à Mulher de Vila Velha. Além de assistência jurídica gratuita, oferecida pelas advogadas da OAB Mulher.

Durante toda a semana, os magistrados do Poder Judiciário capixaba também realizarão audiências, júris e julgamentos de processos envolvendo violência doméstica e familiar contra a mulher, bem como ações penais cuja vítima seja do sexo feminino.

Por Assessoria de Imprensa e Comunicação Social do TJES

Acesse no site de origem: 15ª edição da Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa começou nesta segunda-feira no TJES (TJES – 25/11/2019)