50% dos ataques sexuais são cometidos contra meninas de 15 anos (Rádio ONU – 11/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Dado é apresentado pelo secretário-geral da ONU neste 11 de julho, Dia Mundial da População; no Brasil, uma entre cinco crianças nasce de mães adolescentes.

O Dia Mundial da População é celebrado esta segunda-feira, 11 de julho, e neste ano, a ONU chama a atenção para a importância dos investimentos em meninas adolescentes.
Em mensagem oficial sobre a data, o secretário-geral da organização destaca um dado alarmante: segundo Ban Ki-moon, metade dos ataques sexuais no mundo é cometida contra meninas de 15 anos ou até mais novas.

Desespero

Em países em desenvolvimento, uma entre três garotas se casa ao completar 18 anos. E em geral, as adolescentes são menos propensas a iniciar ou a terminar o ensino secundário.
Apesar de conquistas para reduzir a pobreza e levar mais oportunidades a muitas pessoas, Ban Ki-moon avalia que centenas de milhões de adolescentes continuam “desesperadas por uma chance de ter um futuro melhor”.

Brasileiras

A situação é similar para muitas jovens brasileiras, como explicou à Rádio ONU, da capital federal, o representante do Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, no Brasil, Jaime Nadal.
“Atualmente, aproximadamente uma entre cinco crianças que nascem no Brasil, nascem de mães adolescentes. Essa é uma proporção alta demais, muito preocupante. Por exemplo: a maioria dessas gravidezes acontece entre meninas afro-brasileiras, com um baixo nível educativo e moradoras de favelas.”

Uma das metas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável é conseguir a igualdade entre gêneros no mundo e garantir a autonomia de todas as mulheres e meninas.
Neste Dia Mundial da População, o secretário-geral da ONU pede também aos governos, às empresas e à sociedade civil mais apoio e investimentos nas meninas adolescentes.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Acesse no site de origem: 50% dos ataques sexuais são cometidos contra meninas de 15 anos (Rádio ONU – 11/07/2016)