Acórdão TJRS: mandado de segurança coletivo – designação de ofício da audiência para renúncia viola processo legal (06/12/2012)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

MANDADO DE SEGURANÇA PREVENTIVO COLETIVO. LEI MARIA DA PENHA. DESIGNAÇÃO DE OFÍCIO DE AUDIÊNCIA PARA COLHER POSSÍVEL RENÚNCIA DA VÍTIMA. ART. 16 DA LEI Nº 11.340/2006. VIOLAÇÃO AO DEVIDO PROCESSO LEGAL. SEGURANÇA CONCEDIDA.

Através do art. 16 da Lei Maria da Penha, o legislador impôs forma mais rigorosa para a renúncia ao direito de representação, determinando que será designada audiência especialmente para tal finalidade, a fim de acabar e/ou diminuir os casos onde a renúncia à representação ocorre por outro motivo que não a real vontade da vítima. A designação de ofício da audiência prevista no art. 16, indiscriminadamente, em todos os processos atinentes à Lei Maria da Penha, sob o pretexto de “ratificação da representação da vítima”, representa criação de ato procedimental não previsto em lei e violação ao devido processo legal estabelecido na Lei nº 11.340/2006.

SEGURANÇA CONCEDIDA. UNÂNIME.

MANDADO DE SEGURANÇA
SEXTA CÂMARA CRIMINAL
Nº 70050311992
COMARCA DE TORRES

MINISTERIO PUBLICO      IMPETRANTE
JUIZA DE DIR DA V CRIM DA COM DE TORRES      COATOR
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL      LITISCONSORTE

ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos os autos.

Acordam os Desembargadores integrantes da Sexta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em conceder a segurança coletiva e reconhecer o caráter excepcional e a nãoobrigatoriedade da audiência prevista no art. 16 da Lei nº 11.340/2006, determinando que o Juízo a quo designe a referida solenidade apenas quando a vítima demonstrar desejo de renunciar à representação oferecida, devendo cancelar as audiências designadas nos casos em que ausente a manifestação da ofendida.

Custas na forma da lei.

Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes Senhores DES.ª BERNADETE COUTINHO FRIEDRICH (PRESIDENTE) E DES. JOSÉ ANTÔNIO DALTOÉ CEZAR.

Porto Alegre, 06 de dezembro de 2012.
DES. ÍCARO CARVALHO DE BEM OSÓRIO,
Relator

Clique aqui para acessar no documento na íntegra (em pdf, 154 KB)