Acusado de matar ex-companheira grávida é condenado a mais de 27 anos de prisão (TJAL – 07/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Jurados rejeitaram a tese da defesa de que Gustavo dos Santos não sabia da gravidez da vítima; julgamento foi conduzido pelo magistrado José Eduardo Nobre

O Conselho de Sentença da Comarca de Porto Calvo condenou o réu Gustavo José dos Santos a 27 anos, cinco meses e sete dias de prisão, inicialmente fechado, por homicídio qualificado e aborto provocado por terceiro. O julgamento foi conduzido pelo magistrado José Eduardo Nobre Carlos, titular da 2ª Vara da Comarca.

Os jurados rejeitaram a tese da defesa de que o réu não sabia da gravidez de Genílsula Marques da Silva quando foi assassinada a facadas. Gustavo dos Santos não poderá recorrer em liberdade.

Gustavo dos Santos não poderá recorrer em liberdade. Foto: Caio Loureiro

Gustavo dos Santos não poderá recorrer em liberdade. Foto: Caio Loureiro

Ao prestar depoimento, a mãe da jovem, Lucicleide Marques da Silva, disse que a filha e o réu conviveram por cerca de dois anos. Ela afirmou ainda que Genílsula resolveu terminar o relacionamento devido às agressões que vinha sofrendo.

“Ele gostava muito de bater nela e ela corria lá pra casa. Depois, ele pedia pra ela voltar dizendo que não ia mais mexer com ela”. Ainda segundo a mãe da vítima, o réu agredia e ameaçava constantemente toda sua família. “Um dia ‘deu’ no meu marido, em mim e nela. Chegava na minha casa armado de faca ameaçando minha menina. Ele disse que só sossegava quando acabasse com a vida dela e que se ela não fosse dele não seria de mais ninguém”, completou.

O irmão da vítima, Carlos Marques, afirmou que Gustavo também ameaçava matar o próprio filho quando estava com raiva de Genílsula e que sua mãe está com a guarda da criança. “Eles moravam de aluguel em uma casa e ele batia nela quando chegava ‘cheio’ de cachaça. Em uma briga, ele jogou o filho para cima e eu peguei no ar. Já agrediu minha mãe, meu padrasto e outro irmão”, contou.

Outras três testemunhas confirmaram que todos na cidade sabiam que Gustavo era violento com a vítima e a família e que Genílsula sempre tinha hematomas no corpo. O promotor de Justiça Adriano Jorge de Barros lamentou a frequência desse tipo de crime contra a mulher na sociedade.

“Mais um desdobramento dessa velha questão que enfrentamos que é a violência doméstica. Foi um crime grave, que chocou a população. O réu fugiu do local, depois teve que se entregar porque não tinha mais onde ficar e está preso até hoje”, afirmou o promotor.

A defesa do réu foi feita pela defensora pública Elaine Zelaquett. Ao se entregar à polícia, Gustavo confessou o crime e alegou que o cometeu porque estava embriagado.

O caso

O crime ocorreu em outubro de 2014, na cidade de Jacuípe, interior de Alagoas. De acordo com o Ministério Público (MP/AL), Genílsula voltava de uma festa quando o réu a chamou para conversar. Nesse momento, ele desferiu várias facadas no abdômen da vítima, que chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.

Matéria referente ao processo nº 0700164-49.2014.8.02.0050

Robertta Farias – Dicom TJ/AL

Acesse no site de origem: Acusado de matar ex-companheira grávida é condenado a mais de 27 anos de prisão (TJAL – 07/07/2016)