ADEPAR: Projeto da Defensoria em Cianorte oferece auxílio para mulheres vítimas de violência (ANADEP – 23/08/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Há um ano Maria* encontrou, em um projeto da DPPR (Defensoria Pública do Paraná) em Cianorte, um espaço para minimizar a dor e superar o trauma deixado pela violência doméstica.

“Ter um lugar onde encontrar pessoas que passaram pela mesma situação e querem superar o problema assim como eu é muito importante para mim. Os encontros me deram força e coragem para superar os traumas que a violência causou”, revela Maria.

O projeto da Defensoria em Cianorte de combate à violência contra a mulher funciona através da realização de atendimentos individuais e coletivos que têm como objetivo minimizar o sofrimento e oferecer recursos para que as mulheres possam superar os problemas decorrentes da violência.

Ele foi criado em abril de 2015 pela psicóloga Aline Hoepers, com o apoio dos Defensores Públicos do Paraná Francine Amorese e Gilson Rogério Duarte de Oliveira e da psicóloga Tânia Divino.

Este ano a iniciativa está atendendo 35 mulheres que são continuamente avaliadas pela psicóloga Aline e pela assistente social Grazielle Ganhão e acompanhadas pelos Defensores. Cada caso recebe atendimento específico e dura o tempo que for necessário.

Ao todo, 22 reuniões foram realizadas e cerca de 240 atendimentos psicológicos. De acordo com a psicóloga, os encontros oferecem suporte para que as mulheres adquiram mais autoconfiança.

“Tanto os atendimentos individuais como em grupo agregam a construção de novas possibilidades na vida das mulheres, visando empoderá-las para que elas possam superar um grande violência vivida”, pontua Aline.

As reuniões acontecem a cada 15 dias, na sede da DPPR em Cianorte, que fica na Avenida Maranhão, 255, no centro da cidade. Quem tiver interesse ou quiser mais informações basta ligar para (44) 3637-2469.

*Maria é um nome fictício criado para preservar a identidade da assistida.

Há um ano Maria* encontrou, em um projeto da DPPR (Defensoria Pública do Paraná) em Cianorte, um espaço para minimizar a dor e superar o trauma deixado pela violência doméstica.

“Ter um lugar onde encontrar pessoas que passaram pela mesma situação e querem superar o problema assim como eu é muito importante para mim. Os encontros me deram força e coragem para superar os traumas que a violência causou”, revela Maria.

O projeto da Defensoria em Cianorte de combate à violência contra a mulher funciona através da realização de atendimentos individuais e coletivos que têm como objetivo minimizar o sofrimento e oferecer recursos para que as mulheres possam superar os problemas decorrentes da violência.

Ele foi criado em abril de 2015 pela psicóloga Aline Hoepers, com o apoio dos Defensores Públicos do Paraná Francine Amorese e Gilson Rogério Duarte de Oliveira e da psicóloga Tânia Divino.

Este ano a iniciativa está atendendo 35 mulheres que são continuamente avaliadas pela psicóloga Aline e pela assistente social Grazielle Ganhão e acompanhadas pelos Defensores. Cada caso recebe atendimento específico e dura o tempo que for necessário.

Ao todo, 22 reuniões foram realizadas e cerca de 240 atendimentos psicológicos. De acordo com a psicóloga, os encontros oferecem suporte para que as mulheres adquiram mais autoconfiança.

“Tanto os atendimentos individuais como em grupo agregam a construção de novas possibilidades na vida das mulheres, visando empoderá-las para que elas possam superar um grande violência vivida”, pontua Aline.

As reuniões acontecem a cada 15 dias, na sede da DPPR em Cianorte, que fica na Avenida Maranhão, 255, no centro da cidade. Quem tiver interesse ou quiser mais informações basta ligar para (44) 3637-2469.

*Maria é um nome fictício criado para preservar a identidade da assistida.

Lei Maria da Penha

Lembrando que há poucas semanas, no dia 7 de agosto, foi comemorado o 10º aniversário da Lei Maria da Penha.

Acesse no site de origem: ADEPAR: Projeto da Defensoria em Cianorte oferece auxílio para mulheres vítimas de violência (ANADEP – 23/08/2016)