Adolescente paquistanesa ateia fogo ao corpo após estupro coletivo (Estado de Minas – 15/03/2014)

Uma adolescente paquistanesa morreu, ontem, depois de atear fogo ao corpo. A jovem, de 18 anos, afirmou ter sido vítima de um estupro coletivo e tomou a decisão extrema após o tribunal retirar as acusações contra quatro homens acusados do crime. O incidente ocorreu anteontem, em frente a uma delegacia de polícia na cidade de Beet Meer Hazar, na província de Punjab. Depois de um relatório policial atestar que Amina Bibi não tinha sido violentada, um tribunal do município de Muzaffargarh arquivou o caso. Entre os acusados estava um familiar de Amina.

“Nadir, o principal acusado no caso, era um parente da vítima, e eles tiveram uma briga familiar”, relatou o oficial Chaudhry Asghar Ali. “O caso foi investigado duas vezes, e os detetivas descobriram que a vítima não tinha sido estuprada”, acrescentou. A Suprema Corte do Paquistão exigiu explicações sobre oincidente e ordenou que chefes da polícia local compareçam a um tribunal. Um relatório com detalhes do caso e as razões que levaram os acusados a serem inocentados deve ser entregue à Justiça, que prometeuinvestigar a conduta das autoridades.

Investigadores de Punjab foram deslocados à região, de acordo com declarações da porta-voz do chefe da polícia da província. “Enviamos uma equipe de investigação à área e suspendemos os funcionários dapolícia que eram os responsáveis pelo caso”, declarou Nabeela Ghazanfar. O grupo independente Comissão de Direitos Humanos do Paquistão exigiu uma postura dura e eficiente do governo. “Osacrifício desta adolescente expôs as provações que as vítimas de estupro no país enfrentam quando tentam levar os algozes à Justiça”, alertou o grupo.

Redes de televisões do país mostraram imagens terríveis de pedestres em uma desesperada tentativa de conter as chamas no corpo de Amina. A jovem foi encaminhada a um hospital público, próximo ao local da imolação, mas não resistiu aos ferimentos. Casos de violência física, psicológica e sexual contra mulheres são endêmicos no Paquistão, país com forte cultura patriarcal e conservadora e de maioria muçulmana. Em 2002, outro caso na província de Punjab ganhou as manchetes de todo o mundo. Mukhtar Mai, uma analfabeta, foi sentenciada por um conselho tribal a um estupro coletivo para pagar pelo relacionamento do irmão mais novo com uma mulher de outra tribo.

Acesse o site de origem: Adolescente paquistanesa ateia fogo ao corpo (Estado de Minas – 15/03/2014)