Análise da violência doméstica em audiência pública vai gerar relatório da OAB/MS (OAB/MS – 09/06/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Especialistas discutiram na noite desta quinta-feira (8) no Plenário da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), ações integradas de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher. Advogadas da entidade e representantes do executivo estadual e municipal participaram da audiência pública, promovida pela Comissão da Mulher Advogada (CMA), na tentativa de encontrar alternativas para a redução dos índices de agressão contra as mulheres em Mato Grosso do Sul.

Leia mais:
Comissão da Mulher Advogada debate violência doméstica em MS (A Crítica – 08/06/2016)
Vítimas e agressores aguardam por audiência no mesmo local (Correio do Estado – 08/06/2016)

Análise da violência doméstica em audiência pública vai gerar relatório da OAB/MS

Audiência pública debate violência contra a mulher no Mato Grosso do Sul (Foto: OAB/MS)

A Audiência Pública da Campanha Justiça pela Paz em Casa faz parte da campanha, idealizada pela Ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), que tem por finalidade acelerar a resolução de processos criminais em que mulheres sejam vítimas ou parte interessada, como também mobilizar a sociedade brasileira no sentido de abolir qualquer forma de violência contra a mulher, promovendo a cultura da paz.

De acordo com a presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/MS, Tâmara Sanches, a parceria com o STF visa discutir ações e problemáticas inerentes a cada estado. No dia 22 de junho a CMA vai apresentar, em Brasília, um relatório com as principais reivindicações tratadas na audiência pública e a situação da violência doméstica contra indígenas e mulheres negras que são peculiares em Mato Grosso do Sul. “Acreditamos que juntas somos capazes de combater esse tipo de violência e acelerar os processos relativos à Lei Maria da Penha”.

De acordo com a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), foram registrados de janeiro até o dia 8 de junho 2.677 boletins de ocorrência referentes à violência doméstica. Conforme dados da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, Campo Grande é a Capital que apresenta o maior número de denúncias de violência doméstica, sendo 110 relatos para cada 100 mil chamadas. Brasília ocupa o segundo lugar com 60 registros e o Rio de Janeiro a terceira posição com 59 reclamações.

Segundo dados da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), de janeiro a outubro de 2015, 38,72% das mulheres em situação de violência sofrem agressões diariamente; para 33,86%, a agressão é semanal. Dessas vítimas, 67,8% tem filhos e destes filhos 80,42% são crianças que presenciam ou sofrem a violência junto com as mães.

O presidente da OAB/MS, Mansour Karmouche, atribui a violência doméstica à falta de educação e cultura, que gera a banalização de algumas situações no ambiente familiar. “Nós estamos mudando tanto no campo cultural quanto na legislação brasileira para coibir qualquer tipo de violência física e psicológica contra as mulheres. É muito importante que o homem tenha consciência de como de como tratar a esposa, as filhas e todas as mulheres, independente da relação que tenha com elas. A OAB vai trabalhar incessantemente para que seja cobrada solução diante de qualquer caso de denúncia apresentado. Precisamos mudar a cultura para transformar a sociedade”, afirmou.

A subsecretária de Políticas Públicas para as Mulheres de Mato Grosso do Sul, Luciana Azambuja, explica que o governo tem atuado na prevenção da violência doméstica com ações e campanhas educativas permanentes para conscientização dos jovens, nas escolas, em associações de bairros. “Por meio de palestras e rodas de conversa, falamos do combate à violência contra mulheres e meninas, esclarecemos a Lei Maria da Penha e do Feminicídio, as formas de denúncia, além de fortalecer a rede psicossocial de serviços que compõem hoje a Casa da Mulher Brasileira”.

A defensora pública e representante do Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (NUDEM), Graziele Carra Dias Ocáriz, revelou um aumento das denúncias nos últimos anos e disse que as audiências públicas são essenciais para debater os reflexos da violência doméstica. Em 2015 a Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul atendeu 6.400 mulheres. Até abril deste ano já foram atendidas 3.100 mulheres, em sua maioria, vítimas de violência doméstica familiar. “Esses números nos assustam e nos perguntamos de que forma se pode colaborar com o fim da violência?”, questiona.

A audiência pública também motivou debates sobre a repercussão do caso de estupro coletivo, ocorrido em uma favela no Rio de Janeiro no final de maio. Participaram dos debates o promotor da 47ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, Renzo Siufi, a representante da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS), promotora de Justiça, Jaceguara Dantas da Silva Passos, além de conselheiros e presidentes de comissões da OAB/MS. O evento foi encabeçado pela CMA e contou com o apoio da Comissão de Combate e Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (COMCEVID), Comissão de Direitos Sociais (CDS) e Comissão de Direito de Família e Sucessões (CDFS).

Acesse no site de origem: Análise da violência doméstica em audiência pública vai gerar relatório da OAB/MS (OAB/MS – 09/06/2016)