Assembleia de RR mantém núcleo de vítimas de exploração sexual e tráfico (G1/Roraima – 14/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Núcleo atende mulheres vítimas de tráfico de pessoas e exploração sexual. Coordenadora do Chame diz que Legislativo tem postura social no serviço.

Roraima dispõe de Núcleo de Proteção às Vítimas de Tráfico de Pessoas para fins de Exploração Sexual, que segundo a Assembleia Legislativa, é o único no Brasil mantido por uma Casa Legislativa.

De acordo com a Assembleia, que teve como base dados do Ministério da Justiça, 17 núcleos para enfrentamento ao tráfico de pessoas funcionam no país e estão vinculados à alguma secretaria estadual.

Com trabalhos desenvolvidos em relação à proteção de vítimas de tráfico desde o final da década de 1990, Socorro Santos, coordenadora do Centro Humanitário de Apoio à Mulher (Chame) da Assembleia, disse ser o tipo de crime que age de forma invisível e afeta milhares de pessoas, principalmente mulheres e adolescentes.

“É uma responsabilidade adquirida pelo Poder Legislativo de ter uma postura social no enfrentamento de todos os tipos de violação de direitos humanos”, relata a coordenadora.

O atendimento às vítimas, segundo ela, pode durar anos. “Para que ela (vítima) se torne uma cidadã e consiga, novamente, voltar à sociedade, porque o tráfico te aprisiona”, diz.
Ela disse que o papel é prevenir mulheres para que não caiam na rede de violação de direitos. Em todos esses anos de trabalho, 24 mulheres foram atendidas por Socorro, duas delas cometeram suicídio, segundo a coordenadora.

A deputada estadual Lenir Rodrigues (PPS), coordenadora do Núcleo de Proteção, explicou que a execução desse trabalho é de competência estadual, mas a Assembleia decidiu implantar essa política pública, no Legislativo.

Não há impedimento, conforme a parlamentar, de que futuramente o estado assuma o Núcleo. “Essa é a contribuição do Legislativo, por uma política pública tão importante de combate a violência”, avalia.

A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o dia 30 de julho como o Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

Acesse no site de origem: Assembleia de RR mantém núcleo de vítimas de exploração sexual e tráfico (G1/Roraima – 14/07/2016)