Ban Ki-moon qualifica “câncer” a enxurrada de acusações de abusos sexuais em missões de paz (UOL – 25/08/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A sensação de impunidade diante dos casos de abusos sexuais em missões de paz como a da República Centro-Africana ameaça a credibilidade da organização

Foi em 14 de agosto que o secretário-geral da ONU, o sul-coreano Ban Ki-moon, qualificou de “câncer” a enxurrada de acusações de abusos sexuais cometidos por seu pessoal contra civis em missões de paz. O contingente na República Centro-Africana (Minusca) estava na mira: uma operação de ruandenses e camaroneses no início do mês na capital, Bangui, havia terminado com a morte de um pai e seu filho adolescente e a suposta violação de uma menina de 12 anos. Também morreu um capacete-azul em confronto com a população.

Leia mais: Aos chefes de operações de paz, Ban pede tolerância zero a abusos (Rádio ONU – 13/08/2015)

Segundo os dados facilitados até esse dia 14 pela ONU, a Minusca já reunia 57 denúncias, 11 delas de abusos sexuais contra menores. Isso pelo menos no papel, porque dois dias antes das palavras de Ban o escritório da ONU em Nova York havia sido informado sobre a violação de outras três jovens centro-africanas. Os abusos já somavam 60 casos, e não 57, em apenas 11 meses de missão.

Segundo os dados apresentados na semana passada ao “El País” por Vannina Maestracci, porta-voz do secretário-geral, em 12 de agosto as famílias de três jovens denunciaram suas violações por três membros da Minusca. Nesse mesmo dia veio a gota d’água para o copo de Ban. O chefe da ONU pediu a demissão do líder da Minusca, o general senegalês Babacar Gaye, um veterano em missões de paz. Gaye aceitou.

Mas o câncer já havia se espalhado. Para muitos não só o dos abusos, mas sobretudo da impunidade. Paula Donovan é codiretora da Aids Free World (AFW), organização com sede em Nova York que monitora a gestão que a ONU faz desses escândalos. “O problema não é tanto que o pessoal das missões não receba formação contra os abusos”, diz Donovan, “senão que saibam o que pode lhes acontecer se os cometerem, e isso não está muito claro.”

Depois das palavras de Ban, a embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power, admitiu que o número real de denúncias contra capacetes-azuis “poderia ser muito pior” se a cadeia denúncia-investigação não fosse tão deficiente. Precisamente uma auditoria interna da ONU realizada no Haiti e publicada neste fim de semana indicava que pelo menos 138 casos de denúncias por suposta “má conduta” contra civis – em muitas ocasiões abusos sexuais – de pessoal mobilizado seguem abertos e sem solução mais de um ano depois de iniciadas as pesquisas. Há casos que superam os cinco anos.

Também sobre o Haiti, um informe interno vazado à imprensa em junho revelou que membros da missão de paz mantinham relações sexuais com pelo menos 225 mulheres em troca de comida e remédios, algo absolutamente proibido. Haiti, República Centro-Africana, Libéria, Sudão do Sul… Dez anos depois da primeira grande investigação sobre exploração sexual em missões de paz, o chamado relatório Zeid sobre o Congo, os abusos continuam sendo um buraco negro por onde escapa a credibilidade e escorre a impunidade em operações da ONU, com mais de 125 mil expatriados por todo o mundo em 16 missões.

Lisa Sharland, analista do grupo de pensadores americano Stimson Center, insiste especialmente na responsabilidade dos países que enviam tropas. Nem a ONU nem o país receptor da missão têm poder para julgar os soldados denunciados. É o país de onde eles saem que deve fiscalizar o caso. “Alguns desses países são mais rigorosos e transparentes que outros em suas investigações”, aponta Sharland. “Os governos são muito sensíveis à informação sobre denúncias contra seu pessoal”, continua a analista, “e isso deriva em falta de transparência na hora de saber como são administradas as denúncias e se o pessoal é ou não castigado.”

Esse déficit de colaboração levou Ban Ki-moon a ameaçar publicar a informação por país das denúncias de peso feitas contra seu pessoal em campo. Mas a ONU não evita o ocultamento da informação. A suspensão de um de seus funcionários, o sueco Anders Kompass, por vazar à França o caso sobre denúncias contra seus soldados na República Centro-Africana, revelou, em primeiro lugar, um escândalo de abusos cometidos contra menores de idade, e em segundo o cuidado especial da missão sobre as pesquisas.

Donovan, da AFW, organização que trouxe à luz este caso, alerta sobre o grande obstáculo que enfrentam as investigações dessas ofensas: “o dinheiro”. O que chega de contribuintes às missões e o que é destinado aos países que contribuem com soldados. Com as denúncias, essas quantias poderiam se ver em perigo.

Óscar Gutiérrez com tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Acesse no site de origem: Ban Ki-moon qualifica “câncer” a enxurrada de acusações de abusos sexuais em missões de paz (UOL – 25/08/2015)