Brasil é perigoso para as mulheres, mostra estudo (Jornal do Comércio – 14/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Em estudo publicado na Carta de Conjuntura Fundação de Economia e Estatística (FEE) do Rio Grande do Sul do mês de julho, duas pesquisadoras evidenciam a importância da proteção à mulher e do acesso ao atendimento especializado pelas vítimas para enfrentar a violência de gênero. De acordo com as pesquisadoras Clitia Helena Backx Martins e Deisi Conteratto, a violência contra as mulheres, problema antigo e de âmbito universal, mostra-se ainda mais frequente e legitimado nas regiões do mundo com predominância de culturas de forte cunho patriarcal e sexista. Isso acontece porque a violência contra a mulher não é vista como um crime relevante por parcela significativa da população, o que leva à naturalização do comportamento agressivo e à culpabilização das vítimas.

Mesmo o Brasil contando com um amplo arcabouço jurídico e de políticas públicas – como a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio – a ocorrência de crimes violentos contra as mulheres, tanto no âmbito público como no doméstico, segue elevada. Nesse contexto, a caracterização do Brasil como sendo um país de cultura misógina e inseguro para as mulheres tem sido divulgada internacionalmente. “Jornais e sites de turismo e de negócios colocam o Brasil entre os 10 destinos turísticos ou países mais perigosos do mundo para viajantes do sexo feminino. Como exemplo, na lista global dos least female-friendly places, do The New Economy, o Brasil aparece acompanhado de Afeganistão, Índia, Paquistão e República Democrática do Congo, entre outros”, destaca a análise.

Acesse no site de origem: Brasil é perigoso para as mulheres, mostra estudo (Jornal do Comércio – 14/07/2016)