Caso Daniella Perez muda legislação brasileira

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone
Daniella Perez interpretava Yasmin, o terceiro papel em novelas(Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Daniella Perez interpretava Yasmin, o terceiro papel em novelas(Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Na noite de 28 de dezembro de 1992,  a atriz Daniella Perez era esperada em um ensaio de uma peça teatral no Shopping da Gávea, Rio de Janeiro. Filha da autora de telenovelas Gloria Perez e casada com o ator Raul Gazolla, Daniella – que aos 22 anos interpretava a personagem Yasmin na novela De Corpo e Alma – encerrara a rotina de gravações na Barra da Tijuca por volta das 21h.

O ator Guilherme de Pádua, que interpretava o personagem Bira, par romântico da atriz na trama, aguardava Daniella em um carro estacionado mais adiante do estúdio. Quando o veículo da atriz se aproximou, o carro de Guilherme interceptou o da atriz. A jovem saiu para cobrar explicações e foi, então, desacordada com um soco e levada pelo ator e sua esposa, Paula Thomaz. A cena foi avistada pelo frentista Flávio Bastos, que seria uma das testemunhas de acusação no caso.

Última foto da atriz, tirada na saída no estúdio na noite do assassinato (Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Última foto da atriz, tirada na saída no estúdio na noite do assassinato (Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Horas depois, o corpo de Daniella foi encontrado num matagal próximo a um condomínio com 18 golpes de tesoura – oito perfurações no coração e quatro no pulmão, e mais quatro estocadas no pescoço – e o rosto marcado por hematomas. A bolsa com seis mil dólares que a atriz levava no dia sumira.

Reconstituição do crime: Guilherme tira Daniella do carro e a leva para o matagal (Foto: Arte/iG)

Reconstituição do crime: Guilherme tira Daniella do carro e a leva para o matagal (Foto: Arte/iG)

Após receber a notícia da morte da atriz por um colega, Guilherme foi para a delegacia confortar a mãe e o esposo de Daniella. A polícia identificou o ator a partir da denúncia do advogado Hugo da Silveira, que ao chegar em casa viu dois carros estacionados em frente ao terreno escuro e, desconfiado, passou pelo local, anotou as placas e avisou a polícia. Guilherme foi detido no dia seguinte ao assassinato. No carro do ator, a polícia encontrou uma mancha escura no banco do motorista e sinais de que o veículo havia sido lavado. O frentista Antônio Clarete confirmaria em júri ter limpado o carro na noite do crime e confirmado a existência de uma mancha no assento.

Leia mais:

O ovo da serpente (Veja – 13/01/1993)

Caso Daniella Perez (iG – 02/06/2011)

Julgamento

Guilherme de Pádua ouve a sentença do crime (Foto Rosane Marinho/Folha Imagem)

Guilherme de Pádua ouve a sentença do crime (Foto Rosane Marinho/Folha Imagem)

Em 25 de janeiro de 1997, após quatro anos na cadeia, Guilherme de Pádua foi condenado a 19 anos de prisão. Em seu depoimento ao júri, o ator disse que Daniella o assediava e que tivera um relacionamento amoroso com ela, por interesse. A situação provocara o ciúme de sua esposa Paula e ele decidira se afastar de Daniella após saber que Paula estava grávida. Depois disso, a importância do personagem dele na novela diminuiu.

No dia do crime, após discutir com Paula, Guilherme disse que encontraria com a atriz em um local isolado, enquanto a esposa assistiria à cena, para se convencer de que não havia mais nenhum caso entre eles. Porém, Paula teria deixado o carro para discutir com Daniella. Tentando encerrar a briga, ele dera uma gravata em Daniella, deixando-a desacordada. O ator teria ido até o veículo para adulterar a placa e, ao voltar, teria visto Paula golpeando a atriz com uma tesoura.

Apesar do depoimento do ator, cinco dos sete jurados o responsabilizaram pelos golpes. O júri considerou que as lesões provocaram a morte da atriz e que Guilherme teria impedido sua defesa. Na sentença de 68 linhas o juiz José Geraldo Antônio declara que o réu “exteriorizou uma personalidade violenta, perversa e covarde, quando destruiu a vida de uma pessoa indefesa sem nenhuma chance de escapar ao ataque de seu algoz”.

Meses depois, em 16 de maio, Paula Thomaz foi condenada como coautora do assassinato de Daniella Perez a 19 anos de prisão. A pena foi reduzida para 18 anos e meio por Paula ter menos de 21 anos na data do crime.

Ao júri, Paula negou a participação no assassinato e acusou o já ex-marido, Guilherme de Pádua. Disse que passou o dia comprando roupas de bebê para o filho que esperava e que o ator teria telefonado no dia seguinte pedindo que ela lavasse as roupas que ele usara no dia anterior. Segundo Paula, o ator queria que ela confessasse o crime para ele sair da prisão.

Mudança na legislação

Gloria Perez faz a entrega das assinaturas ao Congresso ao lado de atores (Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Gloria Perez faz a entrega das assinaturas ao Congresso ao lado de atores (Foto: Acervo do blog Daniella Perez)

Após o assassinato da filha, a novelista Glória Perez iniciou uma campanha para coletar 1,3 milhão de assinaturas com o objetivo de alterar o Código Penal, de forma a incluir o homicídio qualificado no rol dos crimes hediondos. As assinaturas foram entregues à Câmara do Rio de Janeiro dois meses antes da morte da atriz completar um ano.

Os crimes classificados como hediondos recebem tratamento legal mais severo e impossibilitam o pagamento de fiança e o cumprimento da pena em regime aberto ou semiaberto. A iniciativa foi o primeiro passo para que a Lei nº 8.072/1990 fosse alterada, o que aconteceu em setembro de 1994. A coleta de assinaturas foi a primeira iniciativa popular de projeto de lei a se tornar lei efetiva na história do Brasil.

20 anos depois

Blog criado pela autora Glória Perez sobre a morte da filha (Foto: Divulgação)

Blog criado pela autora Glória Perez sobre a morte da filha (Foto: Divulgação)

Apesar do esforço de Glória Perez, como o assassinato de Daniella foi anterior à instauração da nova lei, Paula Thomaz  e Guilherme de Pádua foram beneficiados pela progressão de pena. Diante do bom comportamento e do fato de serem réus primários, Guilherme e Paula, que estavam presos desde a data do crime, foram libertados em 1999, após cumprir um terço da pena. Guilherme casou-se novamente e se tornou obreiro em uma Igreja Evangélica e vive em Belo Horizonte. Paula também se casou, teve filhos e vive com os pais em Copacabana, no Rio de Janeiro.

Para que a morte da filha não seja esquecida, a autora Glória Perez elaborou um dossiê sobre o caso e criou a página Daniela Perez – Arquivos de um Processo, que reúne reportagens, artigos, textos e vídeos do júri e da imprensa sobre o crime.

Leia mais:
Recomeçar depois da prisão (IstoÉ – 26/12/2012)
Daniella Perez: 20 anos do assassinato que mudou a lei (O Globo – 23/12/2012)

Por Géssica Brandino
Do Portal Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha
Com informações do acervo de O Estado de S.Paulo