Casos de estupro aumentam mais de 40% em cidades da região de Jundiaí (G1/Sorocaba e Jundiaí – 31/05/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Segundo Secretaria de Segurança pública, dados são alarmantes. Delegados afirmam que vítimas precisam registrar os casos

Um levantamento da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) mostra que os casos de estupros aumentaram de forma alarmante em cidades da região de Sorocaba e Jundiaí (SP). Em Várzea Paulista (SP), por exemplo, esse tipo de crime cresceu mais de 40% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados apontam ainda que nos quatro primeiros meses do ano, casos de estupro tiveram um aumento de 40% em Campo Limpo Paulista em relação ao mesmo período do ano passado. Em Sorocaba, os registros cresceram 15%. Já em Jundiaí, são 10% mais casos e, de acordo com a delegada responsável pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), na maior parte dos casos, as vítimas são crianças.

Clique na imagem para assistir à reportagem

Clique na imagem para assistir à reportagem

“Os pais precisam ficar muito atentos, tem que orientar e conversar muito com as crianças. É preciso ter certeza na confiança nas pessoas que convivem com eles. Além disso, é preciso explicar com clareza a relação entre os adultos e as crianças”, afirma a delegada, Lígia Bonito.

Em Jundiaí, um homem era procurado suspeito de abusar de pelo menos 16 mulheres. No entanto, para a polícia, o número de casos deve ser bem maior. “É importante que a ocorrência seja registrada para que a gente possa apurar todas as circunstâncias e responsabilizar os autores”, ressalta o delegado Luís Carlos Duarte.

Tratamento

Na região de Jundiaí, as vítimas da violência sexual recebem socorro médico especializado e passam por atendimento psicológico. O tratamento busca dar fim ao trauma e melhorar a auto estima.

Para a assistente social do ambulatório de saúde da mulher, a participação da família é fundamental para a recuperação. “Quando a família descobre é um choque muito grande. A vítima fica se questionando e para ajudar a pessoa a retomar as suas atividades, é importante que eles também façam adesão ao tratamento e sigam com a terapia, que não tem previsão de término”, explica Cínthia da Silva.

Acesse no site de origem: Casos de estupro aumentam mais de 40% em cidades da região de Jundiaí (G1/Sorocaba e Jundiaí – 31/05/2015)