Centro de atendimento à mulher vítima de violência é inaugurado em Salvador e poderá acolher 200 mulheres por mês (G1 – 05/04/2018)

Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce é localizado na Rua Lélis Piedade, na Ribeira.

Foi inaugurado um espaço dedicado ao atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar em Salvador. O Centro de Atendimento à Mulher Soteropolitana Irmã Dulce, localizado na Rua Lélis Piedade, na Ribeira, terá capacidade para atender cerca de 200 mulheres por mês.

O local foi entregue na quarta-feira (4) pelo prefeito ACM Neto e pela titular da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), Taissa Gama. A iniciativa faz parte das comemorações pelos 469 anos de Salvador e das ações do programa Mulher 360.

O novo centro é um espaço não sigiloso que pode acolher mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, como também aquelas egressas do tráfico de pessoas que não estejam em risco iminente de morte, acompanhadas ou não de filhos de 0 a 12 anos.

O foco da unidade é o acolhimento, orientação, encaminhamento jurídico, atendimento psicológico e social à população feminina. O abrigo provisório deve garantir a integridade física e emocional dessas mulheres, bem como realizar diagnóstico da situação em que elas se encontram, a fim de encaminhamentos futuros.

O imóvel possui 450 m² de área construída e conta com recepção, quatro salas de atendimento, quatro sanitários, três quartos, brinquedoteca, biblioteca, sala para grupo terapêutico, sala de TV, copa, cozinha, área de serviço, administrativo, dois almoxarifados, salão para oficinas, espaço para ginástica, parque infantil e horta.

Serão ofertados no espaço serviços vinculados às atividades de Centro de Referência Loreta Valadares, que têm como objetivo atender à mulher em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, sem discriminação, com trabalho orientado sob o princípio da escuta qualificada, além de acolhimento provisório de curta duração, de até 15 dias.

A capacidade é de receber 200 mulheres por mês para os atendimentos do centro e 36 pessoas no acolhimento provisório de curta duração.

Além disso, o Centro Irmã Dulce vai oferecer, a exemplo do Loreta Valadares, atendimento multidisciplinar com equipe de 25 profissionais envolvidos, entre psicólogas, assistentes sociais, psicopedagoga, advogada, recepcionista, supervisoras, coordenadora, serviços gerais, motorista, plantonistas, copeira e guardas civis.

Acesse no site de origem: Centro de atendimento à mulher vítima de violência é inaugurado em Salvador e poderá acolher 200 mulheres por mês (G1 – 05/04/2018)