‘Cerca de 68% dos abusos ocorrem em casa’, diz presidente do Pro Paz (G1 – 19/08/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Declaração foi feita após denúncias de exploração sexual no Marajó. Trabalhos de conscientização são realizados para evitar o crime.

O presidente do Pro Paz, Jorge Bittencourt, declarou nesta quarta-feira (19)  que são tomadas providências para combater a explosão sexual de crianças e adolescentes que vivem no município de Melgaço, na Ilha do Marajó.

“Quando se fala em violência sexual contra crianças e adolescentes, cerca de 68% dessas violações ocorrem dentro da residência das vítimas. As 16 delegacias do arquipélago  estão preparadas para atender. A porta de entrada dessas denúncias são os conselheiros tutelares e a própria igreja. Então, a agente ainda tem um número muito grande casos que ocorrem e as famílias se calam”, explica Jorge Bittencourt.

O presidente também afirma que os conselheiros tutelares e as secretarias municipais de assistência realizam um trabalho de conscientização contra o abuso sexual no arquipélago.

“A Fundação Pro Paz junto com a Polícia Civil vem desenvolvendo vários trabalhos como ações preventivas e de repreensão no arquipélago. O rio Tajapuru tem um fluxo imenso e embarcações que vem do Amazonas e Amapá. A implantação de uma Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) fluvial que vai fiscalizar e repreender esse crime”, ressalta.

Abuso e intimidação
Duas meninas de sete anos de idade, que moram em Melgaço, foram abusadas pelo vizinho, que também é considerado suspeito pela polícia de violentar uma terceira criança do bairro em que mora. Ele está preso e à disposição da Justiça.

Em depoimento, uma das crianças disse que o homem ofereceu bombons e pirulitos para ela, levando ela e mais duas crianças para a casa dele. Quando uma das crianças disse que ia contar a situação para o pai, o homem a ameaçou de morte.

Para a polícia, o homem assumiu que manteve relação sexual com as três garotas. Inconformada, a mãe de uma das crianças, que prefere não se identificar, lamenta. “Não consigo acreditar que isso aconteceu com a minha filha. Isso não é gente. Ele é um monstro”, disse.

Acesse no site de origem: ‘Cerca de 68% dos abusos ocorrem em casa’, diz presidente do Pro Paz (G1 – 19/08/2015)