Com três milhões de atendimentos, Ligue 180 tem 1.600% de aumento de registros em seis anos (SPM-PR – 08/03/2013)

De janeiro a dezembro de 2012, foram computados 732.468 registros; 88.685 relatos de violência – dez a cada hora. Risco de morte chega a 50%, de espancamento a 39% e de estupro a 2%. Dentre as unidades federativas, Distrito Federal continua na liderança, seguido por Pará e Bahia

De 2006 a 2012, a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), alcançou 3.058.392 atendimentos à população. No ano passado, foram 732.468 registros – 1.577% em relação aos 46.423, em 2006. Os relatos de violência cresceram 700%: 88.685, em 2012, e 12.664, em 2006.

“Nosso governo tem compromisso com as mulheres e toma atitudes contra a impunidade da violência. O primeiro passo é a denúncia que só pode ser dado pelas vítimas ou pelas pessoas que estão próximas a elas. A denúncia é decisiva para que a Lei Maria da Penha possa ser aplicada e que sejamos, todas e todos, mais fortes do que a violência”, diz a ministra Eleonora Menicucci, da SPM.

Histórico dos atendimentos
Fonte: Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180/SPM

Nem mesmo no interior do Brasil, as mulheres estão menos vulneráveis à violência de gênero. Santa Rosa da Serra (MG), Bora (SP), Sagrada Família (RS), Salvador das Missões (RS), Amapá (AP), Uru (SP), Esperança Nova (PR), Cabrália Paulista (SP), Santa Clara D’Oeste (SP) e Iacanga (SP) são os primeiros dez dos 50 municípios que mais o Ligue 180, em 2012. Essas localidades têm população média de 5.000 habitantes. Desse modo, o relatório de 2012 aponta a interiorização do Ligue 180, o qual se consolida como canal de comunicação e informação de utilidade pública.

A ministra Eleonora classifica o Ligue 180 como entrada da população na rede de serviços especializados e demonstração do interesse, das vítimas ou das pessoas que as cercam, de romper o ciclo da violência. “O Ligue 180 é porta de entrada das mulheres para acesso a direitos e serviços de segurança pública, saúde e justiça”, avalia Menicucci.

Dos 732.468 atendimentos, 88.685 foram de relatos de violência – estes, em média, 242 por dia, dez por hora. Considerando que a cada 15 segundos uma mulher é agredida no país e 243 a cada hora, em apenas 4% dos casos as vítimas ou pessoas que convivem com elas procuraram o Ligue 180.

Tipos de violência – A física continua sendo a mais frequente, totalizando 50.236 registros (56%). Dentre as demais, estão: psicológica em 24.477 (28%), moral em 10.372 (12%), sexual em 1.686 (2%) e patrimonial em 1.426 (2%).

Em 2012, foram computados 430 casos de cárcere privado – mais de um por dia. E denunciadas 58 situações de cárcere privado, em níveis interno e internacional.

Tipo de violência relatada
Fonte: Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180/SPM

Risco de morte, espancamento e estupro – Dos 88.685 relatos de violência, em 50% havia risco de morte, 39% de espancamento e 2% estupro. Em 9%, constaram riscos percebidos como transtornos psíquicos, perdas de bem, danos a terceiros, lesão corporal, entre outros. Do conjunto de relatos de violência, em 58% é descrita como diária e 21% como semanal.

Relação da vítima com o agressor – Em 70% dos casos, o agressor é o companheiro ou cônjuge da vítima. Acrescentando os demais vínculos afetivos (ex-marido, namorado e ex-namorado), esse dado sobre para 89%. Os 10% restantes mostram que as agressões são cometidos por familiares, parentes, vizinhos, amigos ou desconhecidos da vítima.

Relação da vítima com o agressor
Fonte: Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180/SPM

 

Ranking dos estados – O Distrito Federal lidera o ranking anual do Ligue 180, com a taxa de 1.473,62 registros para cada 100 mil mulheres. Em seguida, aparece o Pará e a Bahia, com 1.032,25 e 931,57 ligações respectivamente.

          Posição

UF

Quantidade de Registros

Total de mulheres

Taxa de Registro pela população feminina por grupo de 100.000 mulheres

DF

19.713

1.337.726

1.473,62

PA

38.842

3.762.833

1.032,25

BA

66.524

7.141.064

931,57

AL

14.028

1.608.975

871,86

ES

15.447

1.783.002

866,35

MS

10.555

1.229.166

858,71

PI

13.492

1.590.219

848,44

RJ

70.620

8.366.663

844,06

AP

2.611

334.015

781,70

10º

SE

7.667

1.062.982

721,27

11º

MA

23.113

3.310.823

698,10

12º

GO

19.085

3.022.503

631,43

13º

RN

8.978

1.619.402

554,40

14º

MG

52.937

9.954.614

531,78

15º

PE

23.854

4.566.135

522,41

16º

PR

26.444

5.311.098

497,90

17º

RS

26.201

5.489.827

477,26

18º

AC

1.691

364.929

463,38

19º

RR

991

221.884

446,63

20º

SP

93.825

21.180.394

442,98

21º

TO

2.837

681.002

416,59

22º

MT

6.079

1.485.097

409,33

23º

RO

3.008

767.277

392,04

24º

PB

7.484

1.942.339

385,31

25º

CE

14.274

4.329.989

329,65

26º

SC

8.318

3.148.595

264,18

27º

AM

3.167

1.729.609

183,10

              Fonte: Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180/SPM

 
Ranking de 50 municípios – Localidades com a média de cinco mil habitantes se destacam entre as que mais ligam para o Ligue 180, considerando a proporcionalidade da população feminina.

Posição

UF

Município

Quantidade de Registros

Total de mulheres

Taxa de Registro pela população feminina por grupo de  mulheres

MG

SANTA ROSA DA SERRA

82

1.533

2,19

SP

BORA

15

383

1,61

RS

SAGRADA FAMILIA

45

1.256

1,47

RS

SALVADOR DAS MISSOES

41

1.292

1,30

AP

AMAPA

121

3.819

1,30

SP

URU

17

610

1,14

PR

ESPERANCA NOVA

27

989

1,12

SP

CABRALIA PAULISTA

52

2.145

0,99

SP

SANTA CLARA D’OESTE

24

1.011

0,97

10º

SP

IACANGA

114

4.848

0,96

11º

GO

ANHANGUERA

11

503

0,90

12º

MG

RIO DOCE

25

1.238

0,83

13º

MG

ARACAI

23

1.162

0,81

14º

BA

NOVO HORIZONTE

100

5.171

0,79

15º

RS

TRINDADE DO SUL

54

2.903

0,76

16º

RS

ARROIO DO PADRE

24

1.315

0,75

17º

PB

SAO SEBASTIAO DO UMBUZEIRO

29

1.620

0,73

18º

SP

JERIQUARA

27

1.541

0,72

19º

SP

GABRIEL MONTEIRO

23

1.332

0,71

20º

MG

DIVINESIA

28

1.631

0,70

21º

GO

VALPARAISO DE GOIAS

1163

68.331

0,70

22º

PI

PORTO ALEGRE DO PIAUI

21

1.235

0,70

23º

SP

SAO FRANCISCO

23

1.393

0,68

24º

RS

NOVA BOA VISTA

16

979

0,67

25º

PR

LOBATO

34

2.168

0,64

26º

RS

SANTA TEREZA

13

830

0,64

27º

TO

MATEIROS

16

1.034

0,63

28º

GO

LUZIANIA

1345

87.438

0,63

29º

GO

AGUAS LINDAS DE GOIAS

1225

79.692

0,63

30º

SP

PAULISTANIA

13

859

0,62

31º

DF

BRASILIA

19713

1.337.726

0,60

32º

CE

JIJOCA DE JERICOACOARA

123

8.482

0,59

33º

SC

FLOR DO SERTAO

11

761

0,59

34º

SP

SANTA MERCEDES

19

1.408

0,55

35º

MG

DELFINOPOLIS

44

3.280

0,55

36º

MG

SILVEIRANIA

14

1.044

0,55

37º

RS

IPIRANGA DO SUL

13

972

0,55

38º

RS

CENTENARIO

19

1.425

0,55

39º

MG

DIVISOPOLIS

57

4.312

0,54

40º

MG

MATHIAS LOBATO

22

1.695

0,53

41º

RS

MACHADINHO

35

2.753

0,52

42º

MS

DOURADINA

33

2.643

0,51

43º

MG

BELMIRO BRAGA

21

1.682

0,51

44º

SC

ITA

40

3.209

0,51

45º

SE

SAO FRANCISCO

21

1.687

0,51

46º

MT

CAMPOS DE JULIO

30

2.430

0,51

47º

SP

JABORANDI

40

3.254

0,50

48º

MS

CAMPO GRANDE

4981

405.660

0,50

49º

PI

JOAO COSTA

17

1.389

0,50

50º

MG

PASSABEM

11

902

0,50

Utilidade pública – A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da SPM, é um serviço de utilidade pública que orienta as mulheres em situação de violência sobre seus direitos, com o intuito de prestar uma escuta e acolhida nessas situações e prestar informações sobre onde podem recorrer caso sofram algum tipo de violência. O atendimento funciona 24 horas, todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados. São aceitas ligações de celular pré-pago mesmo sem crédito/recarga.

Comunicação Social
Secretaria de Políticas para as Mulheres – SPM
Presidência da República – PR

Acesse no site de origemCom três milhões de atendimentos, Ligue 180 tem 1.600% de aumento de registros em seis anos (SPM-PR – 08/03/2013)