Condenados na Lei Maria da Penha recebem aulas de comportamento (G1/ Campos Gerais e Sul – 05/12/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Pena alternativa tem sido aplicada em Ponta Grossa, no interior do Paraná. Psicólogo que coordena curso de quatro meses diz que não há reincidência.

A Justiça de Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, está tentando usar penas alternativas para homens autuados pela Lei Maria da Penha, que trata sobre a violência doméstica. Em vez de serem presos, os homens autuados por bater nas companheiras são obrigados a passar por um curso de quatro meses, onde aprendem a respeitar as mulheres.

Clique aqui para assistir à reportagem

Os casos em que cabe o curso são selecionados pela Justiça. Geralmente, os homens encaminhados para as aulas praticaram atos menores de violência. Nos demais, a pena aplicada é a mesma que prevê a Lei Maria da Penha: detenção em regime semiaberto ou cumprimento de serviços comunitários.

“O principal objetivo do nosso grupo é a reflexão e a responsabilização. Então, a ideia é que eles participem aqui e possam refletir sobre seu modo de vida, seus atos praticados, seus comportamentos, para que possam enxergar alguns erros nesses comportamentos e, assim, modifica-los”, explica o psicólogo Luis Renato Bertelli. As aulas são oferecidas pelo Ministério Melhor Viver, ligado a uma igreja evangélica.

O motorista Antônio Ferreira não aceitou o fim de um relacionamento e, certo dia, acabou agredindo a mulher que o deixou. “A gente “forçou” um relacionamento, ameaçando a pessoa. E não devia ter feito isso com a pessoa que eu estava convivendo”, conclui. Para ele, é melhor refletir antes de tomar qualquer decisão que possa magoar outras pessoas.

O representante comercial Jaime Inácio é outro que diz ter mudado a visão de como se relacionar com as outras pessoas. Ele teve uma briga com a ex-mulher, com quem viveu por 11 anos. “Qualquer ato que a gente possa cometer precisa ser muito bem pensado. Nós temos que procurar ter a paciência, a calma. Eu teria evitado muitas desavenças na minha vida conjugal, se eu tivesse tido um pouco mais de paciência, se eu tivesse refletido um pouco melhor”, diz.

Bertelli diz que a iniciativa tem conseguido bons resultados. “É muito visível durante o desenvolvimento do grupo essa mudança [de comportamento]. E nós temos uma estatística zero de reincidência, nesses três anos de funcionamento do projeto”, afirma.

Acesse no site de origem: Condenados na Lei Maria da Penha recebem aulas de comportamento (G1/ Campos Gerais e Sul – 05/12/2015)