Crai de Porto Alegre terá ampliação no atendimento para vítimas de violência sexual (Correio do Povo – 14/04/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Centro contará com presença de mais agentes para ajudar na realização de perícias

O convênio que permite a ampliação do atendimento no Centro de Referência no Atendimento infanto-juvenil (Crai) do Hospital Presidente Vargas foi assinado nesta quinta-feira pelo governador José Ivo Sartori. O atendimento integrado a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual no Crai, que funciona no Hospital Presidente Vargas, na avenida Independência, terá a presença de agentes do Instituto Geral de Perícias (IGP) para a realização das perícias psíquicas e da Polícia Civil, através do Departamento Estadual da Criança e do Adolescente (Deca) que terá um agente no local para atender os casos de violência contra os jovens.

A promotora da Infância e da Juventude do Ministério Público, Denise Vilella, disse que o centro pretende atender também mulheres vítimas de violência sexual. Segundo ela, as crianças vítimas de violência tinham que percorrer diversos órgãos para denúncias da violência. “Todos os órgãos da saúde e da segurança pública estarão reunidos no mesmo espaço”. Conforme Denise, após avaliação a criança será encaminhada para a rede de proteção.

A primeira-dama e secretária do Gabinete de Políticas Sociais, Maria Helena Sartori, disse que o trabalho do centro é exemplo no atendimento de crianças e adolescentes, de zero a 18 anos, vítimas de violência sexual. O serviço, que é pioneiro no Brasil, consiste no cuidado da criança feito pelo hospital, o Departamento Médico Legal (DML) trabalha na materialização de provas e Deca atua na denúncia e na investigação.

O Crai atende cerca de 150 crianças e adolescentes por mês. Um levantamento realizado pelo centro mostra que a maioria dos abusos é praticada por familiares e o maior número de vítimas (50,7%) está na faixa até 13 anos.

Acesse no site de origem: Crai terá ampliação no atendimento para vítimas de violência sexual (Correio do Povo – 14/04/2016)