Defensoria participa de protesto em repúdio a violência contra as adolescentes de Castelo (Defensoria PI – 03/06/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A Defensoria Pública do Estado do Piauí esteve presente no protesto realizado na tarde da última terça-feira (02) na Avenida Frei Serafim, em repúdio à violência sofrida pelas quatro adolescentes de Castelo do Piauí. A Instituição foi representada pela Defensora Pública Dra. Lia Medeiros do Carmo Ivo, Coordenadora do Núcleo Especializado de Defesa da Mulher em Situação de Violência e pela Servidora do referido Núcleo, Teresa Teixeira.

O movimento foi proposto por integrantes de vários movimentos sociais e reuniu cerca de 200 representantes de entidades ligadas às mulheres.Na oportunidade foram distribuídas flores brancas e balões simbolizando a paz. A maioria dos movimentos participantes defende leis mais rigorosas para casos de estupros e pedofilia.

“Esses momentos são importantes para chamar a atenção para o problema da violência contra a mulher. Uma violência que se manifesta diariamente, das mais diversas formas, muitas vezes passando despercebida. O pensamento machista ainda é reproduzido com frequência nos comerciais de cerveja, na criação diferenciada para meninos e meninas e em muitas outras situações. Assim, reunir pessoas, usar cores significativas, entregar flores, foram maneiras de chamar toda a sociedade para o diálogo sobre a necessidade de encarar o problema da violência contra a mulher”, destacou Dra. Lia Medeiros.

A Delegada Vilma Alves, também se posicionou sobre os motivos da manifestação. “Não aceitamos violências. Essa que aconteceu em Castelo do Piauí foi uma jamais vista. Em mulher não se bate, não se espanca e não se amordaça, respeitem as mulheres”, disse, informando ainda que do ano passado até hoje foram registrados 35 estupros no Piauí.

Além da Defensoria Pública estiveram presentes ao Ato entidades como a União de Mulheres, Coordenadorias Estadual e Municipal das Mulheres, Instituto de Mulheres Negras, OAB, Comissão de Mulheres Advogadas, CUT, Fetag e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Vereadores.