Delegada faz alerta sobre grande nº de estupros em ambiente familiar no AM (G1/Amazonas – 14/06/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Casos de estupro em menores de 18 anos chegam a 1.283 desde 2014. Meninas são maior número de vítimas; delegada fala sobre cuidados.

Para muitos meninos e meninas, é no ambiente familiar – onde se deveria encontra amor e a proteção – que ocorrem grandes traumas e agressões. O número de casos de estupro e violência doméstica envolvendo crianças e adolescentes é elevado no Amazonas. No último domingo (12), um bebê foi hospitalizado após receber várias mordidas. O padrasto foi preso. Mais de 1,2 mil casos foram registrados no estado desde 2014.

Em entrevista ao G1, a delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Juliana Tuma, fez um alerta. Segundo ela, em grande parte dos estupros de vulneráveis o autor é algum familiar em quem a vítima confia, tornando difícil revelar o abuso.

Segundo delegada, criança vítima de estupro muda o comportamento (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

Segundo delegada, criança vítima de estupro muda o comportamento (Foto: Suelen Gonçalves/G1 AM)

A delegada cita ainda mudanças no comportamento de crianças que podem mostrar aos responsáveis indícios de abusos. “Nos casos de tortura podem ser vistos os hematomas no corpo da vítima. Nos casos de abuso sexual – que muitas vezes não deixa marca física – é a própria alteração psicossomática nessa criança que vai mostrar algo errado, como introspecção, agressividade, isolamento, tristeza, apatia, alterações no sono . Então, a mãe tem que estar atenta para alterações de comportamento de seu filho e estabelecer uma relação de confiança com ele para evitar esses casos”, afirma a delegada.

Juliana ressalta ainda que mesmo ocorrendo registro de estupro de meninos, as meninas são a maioria das vítimas, principalmente aquelas com idade entre zero e seis anos.

Dialogar com os filhos e deixar claro que não pode permitir que as pessoas toquem em suas partes íntimas é uma forma de prevenir o estupro, segundo a delegada. Ela diz que é preciso evitar deixar crianças com desconhecidos, só com pessoas de sua confiança. Juliana acredita ainda que se deve “empoderar o filho para que ele não permita determinadas situações e saiba que são erradas”.

Dados

Em Manaus, 1. 283 casos de estupro em menores de 18 anos foram registrados de janeiro de 2014 a maio de 2016. Em 732 deles, as vítimas tinham menos de 11 anos.

Os dados fazem parte de um levantamento feito pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), que apontou ainda o total de 551 registros de estupros com vítimas entre 12 e 17 anos.

O artigo 213 no Código Penal Brasileiro (CPB) caracteriza estupro como o ato de “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”.

Suelen Gonçalves
Do G1 AM

Acesse no site de origem: Delegada faz alerta sobre grande nº de estupros em ambiente familiar no AM (G1/Amazonas – 14/06/2016)