Enfrentamento à violência contra a mulher é debatido na Marcha das Margaridas (SPM – 12/08/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A Marcha das Margaridas promoveu, na tarde desta terça-feira (11/08), o Seminário Nacional: Conquistas e Desafios no Enfrentamento à Violência contra as Mulheres do Campo, da Floresta e das Águas com as participações da secretária de Enfrentamento à Violência da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM/PR), Aparecida Gonçalves, e da assessora especial da SPM, Raimunda Mascena. Durante o evento foram apresentadas as ações do programa Mulher, Viver sem Violência, voltadas para as mulheres rurais, como as unidades móveis que prestam atendimento e informações sobre a Lei Maria da Penha.

Leia mais: 
Governo vai reforçar combate à violência contra mulher no campo e na floresta (Radioagência Nacional – 12/08/2015)
Margaridas gritam contra golpe e Dilma emenda: ‘Eu envergo, mas não quebro’ (Rede Brasil Atual – 12/08/2015)
Marcha das Margaridas pede rejeição de projetos que tramitam no Congresso (Senado Notícias – 12/08/2015)

Aparecida Gonçalves apresentou um balanço das ações da SPM, os dados da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 e traçou um panorama da violência contra a mulher no país. Os números de atendimento do Ligue 180 mostraram que nos primeiros seis meses deste ano aumentou em 20% o índice de mulheres rurais  que buscaram o serviço. Informou que, em comparação com o mesmo período de 2014, a Central constatou que houve aumento de 145,5% nos registros de cárcere privado até junho deste ano, com a média de oito registros/dia; e de 65,39% nos casos de estupro.

A secretária da SPM também indicou os desafios para que as ações da Secretaria alcancem um maior número de brasileiras. Entre eles, o aumento da capilaridade dos serviços e o aprofundamento do pacto federativo, para que União, estados e municípios atuem harmonicamente.  Aparecida Gonçalves acentuou ainda a necessidade de garantia de direitos, uma vez que “não podemos tolerar qualquer tipo de violência contra a mulher. Nessa questão, é tolerância zero!”, enfatizou.

A assessora Raimunda Mascena, ex-trabalhadora rural, também destacou a ação integrada dos entes federativos no enfrentamento à violência do campo como um dos maiores desafios a serem enfrentados. “A marcha deve lutar para que os serviços de proteção à mulher sejam cada vez mais interiorizados e alcancem as mulheres do campo, da floresta e das águas”, disse, e completou: “O Brasil não será um país desenvolvido enquanto não enfrentar essa questão”.

Participaram da mesa de abertura do seminário Nilsa Sousa, do Movimento Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), e Carmen Foro, vice-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT). A Marcha das Margaridas acontece no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília.

Acesse no site de origem: Enfrentamento à violência contra a mulher é debatido na Marcha das Margaridas (SPM – 12/08/2015)