Estudante denuncia tentativa de estupro coletivo no metrô de São Paulo (Catraca Livre – 20/08/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Nesta quinta-feira a estudante de jornalismo Mayra Nakamura usou as redes sociais para fazer uma grave denúncia de abuso sexual no metrô de São Paulo. Apenas neste ano, ao menos três ocorrências semelhantes já foram registradas nos sistemas metroviário e ferroviário da capital paulista.

Reprodução

Apesar da campanha de prevenção, ao menos três casos de abuso já foram denunciados em 2015 (Foto: Reprodução)

O texto revela uma tentativa de estupro coletivo que aconteceu na manhã desta quinta-feira em uma das composições da Linha 3 – Vermelha. A vítima preferiu não ser identificada.”O meu relato é público exatamente pra ser divulgado o máximo possível. Libero a divulgação e me responsabilizo”, ressaltou Mayra.

A redação do Catraca Livre entrou em contato com a assessoria de imprensa do Metrô, que afirmou estar apurando as imagens por meio de suas câmeras de segurança.

Confira o relato

“Gente, eu queria reportar e dar um alerta pra todas as moças que conheço e moram aqui em São Paulo.
Hoje, 20/08, na parte da manhã (8h-9h), minha amiga presenciou um acontecimento nojento, traumático, horrível, no metrô Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô. Ela estava na linha 3 – vermelha, que deu problema e estava operando com velocidade reduzida e maior tempo de parada nas estações, o que consequentemente lotava os vagões além do normal.

Num determinado momento da viagem, uma MENINA de aparentemente 16/17 anos estava sendo encoxada pelo cara que estava atrás dela e reclamou. O babaca quis discutir, dizendo que se ela queria espaço não deveria estar lá, mas a menina continuou a reclamar e pedir pro cara parar. No meio de tudo, um outro homem gritou “Estupra ela pra ela saber o que é encoxada de verdade”! SIM, ELE GRITOU ESSA BARBARIDADE! O pior foi TODO O RESTO DAS PESSOAS começarem a incitar a violência contra a menina gritando “Estupra! Estupra!”. A menina que era alvo congelou em estado de pânico.

O trem estava parado entre as estações Tatuapé e Bresser-Mooca, o cara que estava encoxando a moça foi pra cima dela segurá-la e outro cara próximo à eles TAMBÉM TENTOU SEGURÁ-LA. Minha amiga que estava um pouco mais pra trás da situação toda, empurrou as pessoas que estavam bloqueando a passagem dela, ajudou a menina a se soltar dos caras e as duas ficaram na porta pra descerem. MAS VOCÊS ENTENDEM O ABSURDO QUE FOI ISSO? EM PLENO METRÔ, UMA MENINA DE 16 ANOS SOFREU UMA TENTATIVA DE ESTUPRO COLETIVO!

E quando minha amiga levou a menina (que estava em estado de choque, sem conseguir falar, apenas chorando) para a SSO para registrar a ocorrência, OS FUNCIONÁRIOS QUE AS ATENDERAM NÃO FIZERAM O REGISTRO PORQUE A VÍTIMA DEVERIA DEPOR, minha amiga não podia contar o que aconteceu (lembrando que a vítima estiva incapacitada de FALAR) e nada poderia ser feito. Então minha amiga pode apenas aguardar a parente da menina chegar, pra ter certeza que ela ficaria segura e ir embora.

Não sabemos se a menina violentada conseguiu fazer a denúncia, mas a postura dos funcionários foi péssima e absolutamente contraditória ao que a campanha contra o abuso sexual recém-lançada pelo Metrô afirma.

Que esse textão aqui mostre pra todos que vivemos numa sociedade onde a cultura do estupro é uma realidade, que a violência contra a mulher é normalizada, e por isso mesmo não podemos nos manter passivos diante da situação! Essa menina foi mais uma vítima, quantas outras precisarão passar pelo mesmo, ou por situações piores, para que a mudança de pensamento e o combate efetivo das violências aconteçam?

Então, fica não só o alerta pras moças (ajudem umas as outras, de verdade, sempre!), mas também pro Metrô, pra que treine efetivamente seus funcionários.”

Acesse no site de origem: Estudante denuncia tentativa de estupro coletivo no metrô de São Paulo (Catraca Livre – 20/08/2015)