Grupos de apoio ajudam mulheres vítimas de violência doméstica (Pref. Londrina – 12/08/2014)

Participantes relatam efeitos positivos da atividade para a superação do trauma e elevação da autoestima; reuniões terão continuidade (Foto: Pref. Londrina)

Participantes relatam efeitos positivos da atividade para a superação do trauma e elevação da autoestima; reuniões terão continuidade (Foto: Pref. Londrina)

Mulheres vítimas de violência doméstica em Londrina, que estão amparadas por medidas protetivas, reúnem forças para enfrentar o trauma que viveram. Uma das fontes de motivação delas é fruto da participação em grupos de apoio realizados pela Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres/PML em parceria com a 6ª Vara Criminal de Londrina, a Vara Maria da Penha. A atividade é desenvolvida pelo Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CAM) que, por meio do setor de Serviço Social e Psicologia, já realizou cinco encontros, que reuniram 16 mulheres em situação de violência.

A equipe técnica do CAM, composta por assistentes sociais e psicólogos da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, fez uma avaliação dos trabalhos realizados nos grupos até o momento. Segundo a assistente social Gisele Wiezel, o resultado do serviço tem sido muito positivo. “O ambiente criado no grupo proporciona a troca de experiências entre as mulheres, que apoiam umas as outras, conversam entre si e dividem vivências que as deixam mais confiantes para superar o problema”, afirmou.

Gisele explica que as atividades são importantes porque, além do trauma psicológico, muitas vezes os filhos e a família das vítimas também são afetados e sofrem com a situação de violência. Com o suporte profissional, elas conseguem mais motivação e força para superar o trauma e elevar a autoestima. “Foram as próprias participantes que pediram a continuação dos grupos. Elas inclusive já sugeriram temas para debater nos próximos encontros”, disse.

Os grupos começaram em junho e foram divididos inicialmente em dois módulos, sendo um para tratar de questões relacionadas aos gêneros e outro para tratar da violência doméstica em si. Os encontros terão sequência neste segundo semestre com a formação de novos grupos pelo CAM. A ideia é que as atividades ocorram semanalmente.

“Grupo Fênix”

Após a realização dos cinco primeiros encontros, as mulheres que participaram das reuniões elegeram, dentre várias opções sugeridas, “Grupo Fênix” como nome do grupo. Elas relacionam a história da ave lendária da mitologia grega com a atual situação que estão vivendo, na busca por um recomeço em suas vidas. “Muitas de nós estamos ressurgindo das cinzas”, relatou uma delas.

No grupo é possível dividir experiências, conversar com pessoas em situação similar e externar sentimentos que, em outros ambientes, seria difícil. As mulheres destacam a cumplicidade e a liberdade de expressão que a atividade oportuniza. “No grupo posso falar tudo aquilo que tenho vergonha de falar. Aqui todos entendem o medo e sofrimento que já enfrentei por conta da violência”, afirma outra pessoa que frequenta os encontros.

No decorrer das atividades houve ainda troca de e-mails e números de telefones para que os contatos possam ser mantidos.

Sobre o CAM

O Centro de Referência e Atendimento à Mulher foi criado em abril de 1993 e conta com uma equipe de profissionais das áreas de serviço social e psicologia, com atendimento interdisciplinar às mulheres em situação de violência doméstica e intrafamiliar.

Além disso, o CAM coordena e executa capacitações de agentes públicos e desenvolve campanhas e ações de caráter preventivo, direcionados à comunidade em geral. Em 2013, foram realizados 6.080 atendimentos e procedimentos nos serviços sociais e psicológicos, nos quais 1.076 mulheres foram atendidas. Até maio deste ano, o CAM realizou, ao todo, 693 acolhidas.

O CAM fica na Avenida Carlos Gomes, 145 – Jardim Petrópolis, Londrina. O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h.

Fotos: arquivo / PML

Acesse no site de origem: Grupos de apoio ajudam mulheres vítimas de violência doméstica (Pref. Londrina – 12/08/2014)