Indígenas de MS recebem cartilha com tradução da Lei Maria da Penha (G1 – 18/10/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Distribuição deve atingir 60 mil mulheres indígenas em todo o estado. Informações do material foram traduzidas para etnias guarani e terena.

A cartilha de orientação traduzida na língua materna dos terena começou a ser distribuía nas aldeias de Mato Grosso do Sul. O material foi lançado em setembro e foi entregue a estudantes da escola indígena Tenganthui Marangatu de Dourados, a 214 km de Campo Grande. O objetivo é atingir cerca de 60 mil mulheres indígenas.

Mato Grosso do Sul é o segundo estado com maior número de indígenas no Brasil: são 72 mil, mas o estado fica em primeiro lugar nos casos de violência. Só em 2014, 41 indígenas foram assassinados em solo sul-mato-grossense.

Os dados são do Conselho Indigenista Missionário, que aponta ainda que, entre os anos de 2003 e 2014 foram registrados 754 mortes de indígenas no país. Destes, 390 foram em Mato Grosso do Sul. Nilza Meirelles, presidente do Conselho Indígena Feminino, diz que a cartilha vai ajudar a levar informações para denunciar e combater a violência.

Para ela, a falta de informação ainda é o maior desafio para vencer os casos de violência nas reservas indígenas. A situação fica pior quando o alvo são as mulheres. Segundo o Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (Dsei), 322 mulheres sofreram algum tipo de violência nas aldeias do estado em 2014, sendo que 21 delas foram estupradas.

Os próprios companheiros foram os abusadores em 91% dos casos, por isso, duas cartilhas nas línguas terena e guarani foram desenvolvidas para ajudar no trabalho de orientação.

A ideia de fazer o material na língua mãe dos indígenas foi do Núcleo de Proteção e Defesa dos Direitos das Mulheres da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Proteção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul, Edmeiry Silara Broch Festi, a iniciativa é uma forma de aproximar as indígenas dos direitos que elas têm.

Acesse no site de origem: Indígenas de MS recebem cartilha com tradução da Lei Maria da Penha (G1 – 18/10/2016)