Informativo Compromisso e Atitude – Edição nº 4

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

EDIÇÃO ESPECIAL: VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES

Considerada por especialistas como a mais grave violência depois do assassinato, o estupro ainda vitima milhares de mulheres cotidianamente no País. Os dados da última edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública reacenderam a luz de emergência: o número total de estupros registrados em 2012 subiu 19,3% em relação ao ano anterior, atingindo 50,6 mil casos – ou seja, quase seis denúncias a cada hora.

Na sua 4ª edição, o Informativo Compromisso e Atitude entrevistou pesquisadores, profissionais do Sistema de Saúde, operadores do Direito e gestores de políticas públicas que lidam com o tema para saber a dimensão do problema e conhecer os principais avanços e desafios para dar um basta na violência sexual no Brasil.

Entre os entrevistados, um diagnóstico é unânime: é preciso um pacto intersetorial de não tolerância a este tipo de crime. A proposta é fortalecer os serviços e mostrar para a sociedade que o Estado está do lado da vítima, para que ela realize a denúncia e receba o acompanhamento médico e psicológico necessário, e também que seu agressor seja punido e impedido, assim, de continuar o ciclo de violência ou fazer novas vítimas.

Confira:

>> VERSÃO PARA IMPRESSÃO:

 

>> VERSÃO ELETRÔNICA:
(clique no texto para acessar a matéria na íntegra)

Informativo Eletrônico da Campanha Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha
Pacto de enfrentamento à violência sexual contra mulheres é urgente
Programa Mulher, Viver sem Violência introduz novas ações contra a agreção sexualMinistério Público busca atuação integrada para assistir às vítimas de violência sexualDefensoria Pública pode auxiliar na recuperação da vítima, garantindo seus direitos
Prova em caso de violência sexualCredibilidade da palavra da mulherCampanha Compromisso e Atitude 1 ano depois
Parceiros da Campanha
Portal Compromisso e AtitudeTwitterFacebook
Instituto Patrícia Galvão
Para não receber mais nossas mensagens, clique aqui