Jaú/SP não dispõe de abrigo para mulheres (Comércio do Jahu – 12/07/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Hoje, uma mulher que tenha sofrido algum tipo de violência física não contará com um local específico para ser abrigada em Jaú. A secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Maria Izilda Mattar, relata que a pasta atua para entregar equipamentos públicos em andamento, como o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP), previsto para ser finalizado em agosto.

Leia mais: Lei é efetiva na proteção da vítima contra o agressor (Comércio do Jahu – 12/07/2015)

A secretaria costuma receber demandas relacionadas a mulheres vítimas de violência. Quando os vínculos familiares estão mantidos, o atendimento é realizado no Centro de Referência de Assistência Social (Cras), com reuniões socioeducativas, acompanhamento com psicólogo e assistente social. Há quatro unidades no Município: Distrito de Potunduva, Centro, Jardim Pedro Ometto e Jardim Cila Bauab.

Em situações mais complicadas, com rompimento do vínculo familiar, a atuação cabe ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). De acordo com Maria Izilda, o foco do trabalho deve ser na causa do problema e não nas consequências. “Hoje a grande questão envolve a família”, diz. “Temos de ter um olhar para que a família seja referenciada primeiramente no Cras quando não estão rompidos os vínculos.”

Para a doutora em sociologia e professora das Faculdades Integradas de Jaú Grasiela Lima, a estrutura de acolhimento na maioria dos municípios é deficitária. “É fundamental a constituição de uma rede de atendimento com infraestrutura adequada e profissionais capacitados para o trabalho”, menciona. “Se conseguirmos implementar o que diz a lei, conseguiremos enfrentar com eficiência esse grave problema social.”

Alcir Zago

Acesse no site de origem: Jaú/SP não dispõe de abrigo para mulheres (Comércio do Jahu – 12/07/2015)