Jovens do interior do RS mobilizam autoridades do Estado após exposição de fotos íntimas em aplicativo (Folha de S.Paulo – 15/05/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Bruna, 13, não acreditou quando sua foto de lingerie, que havia dado a um garoto, passou a circular no grupo de WhatsApp “Ousadia e Putaria”, que reúne dezenas de rapazes de sua cidade.

“Agora todos riem de mim”, escreveu a menina, que cortou os pulsos e está internada no hospital.

Bruna não foi a única a ter suas fotos com trajes íntimos divulgadas. Luísa, 13, foi ofendida nos corredores da escola. Já Carla, 17, hostilizada pela vizinhança, foi à polícia.

Mas, surpresa: o estagiário da delegacia fazia parte do grupo, e o boletim de ocorrência foi parar no “Ousadia”.

Os nomes são fictícios, mas as histórias, todas reais.

As garotas, da pequena cidade gaúcha de Encantado, com cerca de 20 mil habitantes, tiveram fotos e vídeos íntimos espalhados por meio do aplicativo de celular no último mês. Mesmo com o caso na polícia, o grupo no WhatsApp continuou ativo.

Para muita gente da cidade, elas não eram as vítimas. Estavam pagando o preço por não terem se valorizado, escreveu no Facebook o dono do jornal da cidade, ao dizer que elas mereciam uma “boa cinta de couro de búfalo com uma fivela de metal fundido”.

Antes, o seu jornal, o “Antena”, já havia falado sobre o caso de algumas meninas da cidade que resolveram se “soltar para as câmeras”.

Um grupo de mulheres resolveu comprar a briga e passou a cobrar do Ministério Público, do Sindicato dos Jornalistas e da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul uma apuração sobre o trabalho das autoridades no caso.

Todos riem de mim

“Eu tinha um namorado que passava confiança. Ele mandou uma foto e pediu uma também. Mandei uma de calcinha e sutiã. Agora todos riem de mim. Meu pai disse que não sou um exemplo de filha”, disse Bruna, 13, aquela que tentou suicídio.

O depoimento dela foi lido por sua professora em audiência na Câmara Municipal nesta quinta (14). A audiência foi sugerida por uma comissão de deputados que reuniu policiais, professores, alunos e parentes das meninas.

A professora mal conseguia segurar o choro. Na plateia, cerca de 50 alunos do terceiro ano da escola, alguns conhecidos de Bruna, silenciaram. Muitos deles, segundo o grupo de mulheres, compartilharam as imagens.

Nenhum parente de Bruna compareceu ao evento.

Já a mãe, a tia, a madrinha e a irmã de Lívia, 24, que também teve fotos e vídeos íntimos divulgados, estavam lá e ouviram quando o depoimento da menina foi lido.

“Por que esses dias são tão difíceis? Porque julgam a educação que recebi, minha intimidade, julgam o que devia ou não ter feito”, escreveu.

“Os comentários [nas redes sociais] eram como facadas no meu coração”, disse à Folha a mãe de Lívia.

Culpa do Estagiário

O delegado de Encantado, Paulo Peixoto, nega que a polícia tenha agido com preconceito e culpa o estagiário. “Foi demitido no dia seguinte.”

Cerca de 40 suspeitos, entre adultos e adolescentes, serão ouvidos. Eles podem ser acusados de crime contra o direito à privacidade. No caso das fotos envolvendo menores, a punição é maior.

Já o jornalista Juremir Versetti se desculpou por meio das redes sociais. “Não tive a intenção de pregar a violência contra a mulher.”

No último sábado (9), o grupo de mulheres organizou uma marcha pela cidade e uma aula aberta. Os avós de Lívia, de 80 anos, participaram segurando uma faixa com os dizeres “meu corpo, minhas regras”.

Paula Sperb
Enviada especial a Encantado (RS)

Acesse no site de origem: Garotas expostas (Folha de S.Paulo – 15/05/2015)