Justiça decreta prisão de professor do Anchieta suspeito de estuprar aluna (Correio 24h – 09/09/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O mandado de prisão preventiva foi expedido no dia 1º de setembro e Raul Rodrigues ainda está sendo procurado

A Justiça baiana decretou, no último dia 1º de setembro, a prisão preventiva do professor Raul Rodrigues Guimarães Neto, 29 anos, suspeito do crime de estupro de vulnerável contra uma adolescente de 13 anos. Legalmente, relações sexuais com menores de 14 são consideradas estupro de vulnerável, já que, com esta idade, não há consentimento. Raul, que dava aulas de Geografia até o início de junho deste ano no Colégio Anchieta, na Pituba, em Salvador, era professor da garota, aluna do 8º ano.

Leia mais:
Caso condenado, professor que estuprou aluna pode pegar de oito a 15 anos de reclusão (Correio 24h – 10/09/2016)
Autorizada inclusão de professor suspeito por estupro em lista da Interpol (Correio 24h – 11/09/2016)

Segundo informações do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), o pedido de prisão preventiva foi feito pela Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Derca) e recebeu parecer favorável do MP-BA. Raul, no entanto, ainda está sendo procurado pela polícia.

O mandado, expedido pela 2ª Vara de Feitos Relativos aos Crimes Praticados contra Criança e Adolescente, tem validade até o dia 18 de agosto de 2036 – 20 anos – e ainda aguarda cumprimento. O CORREIO apurou que existe a suspeita de que ele tenha fugido para o exterior – ele é casado há pelo menos dois anos com uma jornalista romena.

Quando Raul foi denunciado pela família da garota à polícia, em junho passado, os dois já mantinham encontros íntimos há oito meses num apartamento alugado no Edifício Pituba Mar Residence, no Condomínio Pituba Ville, que fica ao lado do Colégio. Ele teria alugado o apartamento no condomínio para facilitar os encontros e não chamar a atenção dos pais da adolescente.

No entanto, quando o caso veio à tona na escola, no dia 2 de junho, Raul deixou o apartamento. No dia 6, ele pediu demissão da escola. No final de julho, quando o CORREIO conversou com o diretor da escola, João Batista de Souza, ele contou que Raul pediu demissão antes do recesso de São João e não contou o motivo do pedido. Segundo o diretor, somente depois o caso foi descoberto.

Inquérito
O inquérito policial da Derca foi concluído no final do mês de julho e encaminhado ao Ministério Público Estadual. No entanto, a promotoria ainda não definiu se vai denunciar o professor por um ou mais crimes relacionados à Dignidade Sexual – considerados crimes hediondos.

O caso segue em segredo de justiça e os depoimentos estão sob sigilo. No entanto, o CORREIO apurou que ambos confirmaram o relacionamento à polícia. Assim que a situação foi descoberta, a garota foi transferida da escola.

Desde que a denúncia foi feita, os pais da garota deixaram o trabalho para buscar por justiça e apoio psicológico para a filha. Alunos e familiares de estudantes do Anchieta contaram ao CORREIO que o caso foi à tona na escola quando a menina gritou no pátio que era apaixonada pelo professor.

Clarissa Pacheco

Acesse no site de origem: Justiça decreta prisão de professor do Anchieta suspeito de estuprar aluna (Correio 24h – 09/09/2016)