Lei Maria da Penha é levada à comunidade evangélica de Jaguaribe (TJPB – 05/07/2013)

Projeto “Justiça em seu Bairro: Mulher merece Respeito” aborda violência contra a mulher e formas de enfrentamento (Foto: TJPB)

O projeto “Justiça em seu Bairro: Mulher merece Respeito”, do Tribunal de Justiça da Paraíba, continua percorrendo os bairros da Capital paraibana e na noite dessa quinta-feira (4) foi destinado a um público específico: a comunidade evangélica do bairro de Jaguaribe. A idealizadora do projeto e titular da Vara de Violência contra a Mulher de João Pessoa, juíza Rita de Cássia Andrade, escolheu a Igreja Assembleia de Deus Missões, para levar aos fiéis a palestra sobre violência doméstica e familiar e a Lei Maria da Penha.

A palestra abordou dados sobre a violência doméstica no Brasil, na Paraíba; as formas de combate, prevenção, assistência e proteção às mulheres; tipos de violência (física, moral, sexual, psicológica, patrimonial) e formas de denunciar.

O evento contou ainda com a participação da presidente da Comissão de Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa do Estado, deputada Daniela Ribeiro, e presidente da Comissão da Mulher da Câmara municipal, vereadora Elisa Virgínia. Ambas passarão a contribuir com o “Mulher merece Respeito”, levando para o ciclo de palestras as leis, no âmbito estadual e municipal, que existem em favor das mulheres.

“É importante que as pessoas conheçam estas leis para que possam cobrar a aplicação efetiva. Também vamos aproveitar o ciclo de palestras para levar os trabalhos da Comissão de Mulheres”, informou a deputada Daniela. Em sintonia, a vereadora Elisa concordou que muitas leis ficam engavetadas porque a sociedade não sabe que elas existem.”Vamos participar da disseminação destas informações, porque a sociedade padece por falta de conhecimento”, argumentou a vereadora.

Para a magistrada Rita de Cássia, as igrejas podem ser uma forte aliada no combate à violência doméstica. “Através de estudos, vejo que há muita violência doméstica nas igrejas de todos os segmentos religiosos e isso me causou uma preocupação. Quero difundir a Lei nestes espaços e templos, onde se concentram muitas pessoas, de idades variadas, diversas classes sociais e econômicas”.

Ela falou ainda que o momento foi oportuno, visto que os as escolas, onde o projeto costuma acontecer, se encontram em recesso.

O pastor da Assembleia de Deus e presidente daquela Igreja, José Carlos de Lima, agradeceu a oportunidade e disse que aguardará próximas edições do evento, para que as informações cheguem a mais fiéis. “Precisamos dirimir estes abusos cometidos contra a mulher e com este objetivo, nós também realizamos trabalhos de encontro de casais e de jovens com Cristo. O projeto é excelente e espero que seja abrangente a todos os evangélicos”, afirmou.

A evangélica Maria Lima da Silva saiu do evento satisfeita com o resultado. “Gostei porque aprendemos bastante sobre a Lei Maria da Penha, que a gente costuma ouvir falar. Foi muito construtivo para cada um de nós, principalmente para nós mulheres”, avaliou.

Atendimento local

No local, em sala particular, é oferecido atendimento e escuta, com psicólogo e assistente social, para que as pessoas possam conversar, relatar casos de violências vivenciadas e tirar dúvidas. Desde que o serviço passou a ser oferecido, nas últimas três palestras, a procura tem aumentado, como informou a psicóloga da Vara de Violência Doméstica, Rozeneide Lourenço.

Gecom – Gabriela Parente

Acesse no site de origem: Lei Maria da Penha é levada à comunidade evangélica de Jaguaribe (TJPB – 05/07/2013)