Máfia mata 20 mulheres por ano (Correio Braziliense – 18/03/2013)

(Correio Braziliense) Contada na edição de ontem do Correio, a história de Letícia Peres Mourão é incomum, porque foi um dos raros casos de mulher escravizada na Europa que teve a coragem denunciar seus agressores. No entanto, muitas brasileiras tiveram um fim trágico como o dela. Aos 31 anos, Letícia morreu com um tiro na cabeça, no Guará, em 2008. Tantas outras foram assassinadas sem sequer conseguir voltar à terra natal. Goianas, como ela, são as maiores vítimas das máfias da prostituição internacional.

Em média, 20 brasileiras são assassinadas anualmente no exterior em consequência da exploração sexual. Somente em 2012, sete goianas fizeram parte dessa estatística. E foi o ano com o menor número de vítimas no século. O estado já chegou a perder 20 cidadãs assassinadas por conta da atividade em um ano. Outras 18 desapareceram a cada 12 meses, em média. Os números são da Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo de Goiás, órgão encarregado de dar assistência aos goianos no exterior e as suas famílias no Brasil.

O órgão estima que haja de 2,5 mil a 3 mil goianas vivendo da prostituição na Europa, de forma voluntária ou forçada. A Espanha, onde Letícia viveu sob o regime de escravidão, é o principal destino das prostitutas goianas desde os anos de 1990. As organizações criminosas espanholas e portuguesas se concentram nos estados do Centro-Oeste, segundo investigações da Polícia Federal.

Brasília entrou na rota do tráfico internacional de seres humanos, servindo de porta de saída de prostitutas para a Europa. Desde que o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek consolidou o oferecimento de voos regulares para Lisboa, as goianas, principal alvo dos aliciadores, usam o terminal candango como ponto de partida para o comércio do corpo em cidades de Portugal, Espanha, Bélgica e Suíça. No entanto, a quantidade de goianas se prostituindo no exterior e de vítimas de tráfico de pessoas vem caindo com a crise econômica que assola o velho continente.

PREÇOS EM QUEDA

Fundador e chefe da Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo de Goiás, Elie Chidiac diz que levantamento realizado pela entidade revelou que já houve 4,5 mil mulheres nascidas em Goiás vivendo da venda do corpo fora do país, desde 2004. “Hoje, o número representa menos de 1% dos goianos que vivem fora do país, pois eles são 350 mil”, ressalta Chidiac. “A quantidade caiu por causa da crise econômica e porque ficou mais barato para as máfias traficar pessoas do leste europeu, pois os preços das passagens são menores”, conclui.

Chidiac esteve na Europa em 2010, com funcionários da sua secretaria, do Ministério das Relações Exteriores, da Secretaria de Políticas para as mulheres (SPM) e do Ministério da Justiça. Durante duas semanas, os representantes brasileiros estiveram em Holanda, Suíça, Portugal e Espanha. Conversaram com autoridades locais e brasileiras prostitutas. “Há uma briga por mercado entre brasileiras e mulheres do leste europeu. Brasileira que cobrava até 200 euros por programa, agora pede 35 euros, devido à concorrência”, conta Chidiac.

REGIME ESCRAVO

Uma operação da PF com a polícia da Espanha desmontou quadrilha que aliciava mulheres para exploração sexual, em 30 de janeiro. Os agentes prenderam quatro pessoas e libertaram seis mulheres confinadas em duas boates. No Brasil, federais prenderam, em Salvador, o casal que aliciava as jovens. Na Espanha, foram presos os gerentes dos dois bordéis, em Salamanca e em Ávila.

As polícias do Brasil e da Espanha chegaram à quadrilha a partir da denúncia da mãe de uma brasileira mantida como escrava em uma das casas de prostituição. Ela percebeu a semelhança da situação de sua filha com a retratada pela novela Salve Jorge, da TV Globo, e denunciou ao ligue 180, da SPM. O serviço, por sua vez, acionou a PF, em de 30 de outubro de 2012.

Com ajuda do adido da PF na Espanha e da polícia espanhola, foram encontradas em situação de tráfico de pessoas duas brasileiras, três romenas e uma mulher de Serra Leoa, nas boates Vênus e Marte. Elas saíam do Brasil com uma dívida de mil euros e, quando chegavam à Espanha, já tinham adquirido uma dívida de 4 mil . A operação ainda segue e poderá deter outros criminosos, segundo o diretor-geral da PF, Leandro Daiello.

A Polícia Federal brasileira abriu 514 inquéritos de tráfico de pessoas entre 2005 e 2011 – os números incluem o tráfico internacional de pessoas, tráfico interno e trabalho escravo. Já o ligue 180 recebeu mais de 3 milhões de atendimentos diversos desde 2006. De janeiro a dezembro de 2012, foram 80 ligações pelo ligue 180 internacional, sendo 5% relacionadas ao tráfico de pessoas. Do total, 30 vieram da Espanha, 25 da Itália, 18 de Portugal e duas de El Salvador. Os atendimentos em maioria referem-se a violência física contra mulheres (52%).

Combate e assistência

Criado em 2000 pelo governo goiano, o órgão presta assistência aos familiares e às vítimas de prostituição no exterior. O combate passa por três pilares: repressão, assistência e conscientização. A secretaria tem a chance de incluí-las em programas sociais do governo de Goiás. Emprego e assistência médica, para o caso de doenças sexualmente transmissíveis, também são oferecidos para as mulheres repatriadas. A secretaria trabalha em parceria com a Polícia Federal e com o Ministério Público de Goiás.

Renato Alves