Mais de 2,4 mil mulheres sofreram algum tipo de violência em Petrópolis em 2015 (Diário de Petrópolis – 29/02/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Apenas em 2015, de acordo com o Dossiê da Mulher, publicado pelo governo do estado, houve 2.484 crimes contra mulheres em Petrópolis. O delito mais frequente foi lesão corporal dolosa (879 casos) e o segundo, de ameaça (811). Para se ter ideia, o estudo estima que haja 156 mil mulheres na cidade.

“Grande parte das mulheres que vêm à delegacia já está sofrendo ameaças, agressões há algum tempo. Elas não seguem para uma unidade policial antes, porque acreditam na mudança do companheiro”, Fabiana Jorge – inspetora que atende o Nuam na 105ª DP

O Núcleo de Atendimento a Mulher (Nuam) não apresentou dados precisos, mas adiantou que a média diária de denúncias de violência contra mulher chega a quase 400 ocorrências que se enquadram na Lei Maria da Penha. Considerando o início de 2016 até o fim deste mês. Um número que poderia ser maior: de acordo com a inspetora Fabiana Jorge, que recebe diretamente os casos, muitas mulheres acreditam na mudança de atitude dos companheiros e por isso demoram a tomar atitudes.

– Grande parte das mulheres que vêm à delegacia já está sofrendo ameaças, agressões há algum tempo. Elas não seguem para uma unidade policial antes, porque acreditam na mudança do companheiro. Neste caso, eles não estão junto há algum tempo e ele já tem outra companheira. O grande problema é o pagamento da pensão, que ele não estava fazendo – explicou.A cidade não conta com uma delegacia específica para esse público, mas a mulher que foi ou é vítima de violência pode procurar o Nuam, que fica na delegacia do Retiro, ou entrar em contato pelos telefones: (24) 2291-0816 e (24) 2248-7808. Para a segurança da vítima ou do denunciante, tudo ocorre em sigilo. E para mais liberdade da vítima, o atendimento também é feito por uma mulher.

Acesse no site de origem: Mais de 2,4 mil mulheres sofreram algum tipo de violência em Petrópolis em 2015 (Diário de Petrópolis – 29/02/2016)