Maternidade recebe quase 500 retornos de consultas de vítimas de violência sexual em 2015 (Portal da Saúde/ Gov CE – 25/09/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

A Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL) é referência em Sergipe no atendimento a gestantes de alto risco portadoras de patologias como hipertensão, diabetes, cardiopatia e trabalho de parto prematuro. O espaço, gerenciado pela Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), também de destaca no atendimento às pessoas em situação de violência sexual, oferecendo acompanhamento individualizado e acolhimento feito por uma equipe multidisciplinar.

De acordo com estatísticas levantadas, de janeiro a agosto de 2015, as vítimas de violência sexual representaram 178 atendimentos de primeira vez, sendo que 41 atendimentos foram destinados a pacientes de maior idade e 137 para menores de 17 anos. Também foram contabilizadas 493 consultas de retorno e feitas previsto em lei, seis interrupções durante o período de janeiro a agosto 2015.

A gerente do serviço de violência sexual na MNSL, Maria da Glória Souza, explica que as vítimas recebem o atendimento, incluindo medidas de prevenção, acompanhamento ambulatorial, tratamento de eventuais agravos e impactos resultantes da violência sobre a saúde física e psicológica, abortamento (se necessário conforme código previsto em lei) e notificação da violência.

“Tal serviço é acompanhado por médicos obstétricos, um enfermeiro, duas assistentes sociais, dois psicólogos e dois técnicos de enfermagem. Esses profissionais oferecem o acolhimento necessário a todas as pessoas que chegam acompanhados dos seus familiares ou dos conselheiros tutelares e adultos, independente do sexo”, detalhou Glória.

Primeiro atendimento

No primeiro atendimento às vítimas de violência sexual são solicitados exames laboratoriais que indicarão se pessoa contraiu alguma Doença Sexualmente Transmissível. Com o objetivo de evitar constrangimentos, a coleta de sangue acontece de forma discreta, rápida e gratuita. Muitas mães afirmam que desconheciam esse serviço e se surpreendem com a agilidade do atendimento na MNSL.

“Segundo protocolo do Ministério da Saúde, o serviço realizado na MNSL é o de contribuir para a promoção, defesa e garantia de direitos de crianças e adolescentes vítimas de violência, abuso ou exploração sexual, com objetivo de identificar DSTs e os riscos decorrentes, prevenindo o agravamento de situação e promover a interrupção do ciclo de violência. Trabalhamos com muita seriedade e sigilo para não expor a vítima”, explicou ainda a gerente.

Tratamento e acompanhamento

As pessoas que chegam à MNSL até 72 horas após o ocorrido e que são caracterizados como casos agudos, recebem emergencialmente os medicamentos próprios para anti concepção e de profilaxia DST`s. Além disso, recebem também os anti-retrovirais.

Maria da Glória afirma também que quando a vítima é menor de idade e chega a uma gravidez indesejada decorrente de estupro, ela tem direito assegurado e previsto em lei à interrupção. “Nesse caso, quem decide pelos procedimentos a serem adotados são os pais ou responsáveis. Já no caso das vítimas maiores de idade, elas mesmas decidem são irão ter o bebê, interromper a gestação ou realizar adoação”, esclareceu.

Conforme o superintendente hospitalar da MNSL, Luís Eduardo Prado Correia, todos os pacientes recebem o primeiro atendimento de forma imediata e são acompanhados no período de seis meses.

“Oferecemos um conjunto de procedimentos técnicos e especializados para atendimento e proteção imediata às crianças e aos adolescentes vítimas de abuso ou exploração sexual, bem como de seus familiares, proporcionando-lhes condições para o fortalecimento da auto estima, superação da situação de violação de direitos e reparação da violência vivida”, concluiu Luís Eduardo.

Para informações sobre o serviço de atendimento às vítimas de violência sexual da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, o telefone é 3225.8679.

Acesse no site de origem: Maternidade recebe quase 500 retornos de consultas de vítimas de violência sexual em 2015 (Portal da Saúde/ Gov CE – 25/09/2015)