MPDFT recomenda que instituições de ensino superior combatam assédio sexual (MPDFT – 14/12/2016)

O Núcleo de Gênero do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) recomendou às instituições de ensino superior públicas e privadas que criem grupos de trabalho sobre assédio e violência sexual contra mulheres no ambiente acadêmico. A medida é resultado da audiência pública sobre o tema realizada em 7 de novembro.

Os grupos de trabalho devem ser compostos, preferencialmente, por mulheres, com participação dos diversos segmentos da comunidade acadêmica. A ideia é que proponham programas destinados à prevenção, ao acolhimento das vítimas e à responsabilização disciplinar dos agressores.

Para o promotor de Justiça Thiago Pierobom, coordenador dos Núcleos de Direitos Humanos do MPDFT, é preciso que ações efetivas sejam tomadas para enfrentar o problema. “É responsabilidade das instituições de ensino criar um ambiente de trabalho e de estudo livre de todas as formas de discriminação, especificamente, do assédio sexual contra as mulheres. É essencial que esse tema seja explicitamente indicado como uma prioridade institucional, de forma a se evitar a continuidade desses atos de violência”, afirmou.

Depoimentos

Durante a audiência pública, estudantes, professoras e funcionárias relataram situações de assédio sexual nos trotes universitários, em festas estudantis e nas relações com alunos ou professores. Também foram apontados problemas de segurança que dificultam o deslocamento nos campi, especialmente à noite.

Acesse no site de origem: MPDFT recomenda que instituições de ensino superior combatam assédio sexual (MPDFT – 14/12/2016)