MPE promove segunda palestra do projeto “Homens que Agradam Não Agridem” (Folha Max – 26/01/2017)

Dando sequência ao projeto “Homens que Agradam Não Agridem”, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso realizou nesta quinta-feira (26) palestra para mais de 200 funcionários da empresa Bimetal Indústria Metalúrgica, localizada na Rodovia dos Imigrantes, no Bairro Novo Mato Grosso, em Cuiabá. O tema foi abordado pela promotora de Justiça Laís Glauce Antonio dos Santos.

O primeiro passo para sensibilizar os participantes foi esclarecer os motivos que levaram a promulgação da Lei 11.340/2006 , conhecida como “Lei Maria da Penha”. A promotora de Justiça também falou sobre o ciúme entre os casais, uma das principais causas da violência doméstica contra a mulher. Lembrou que muitas vezes esse estado emocional torna-se uma doença que precisa ser tratada

Laís explicou, ainda, que comportamento violento não é hereditário, mas que as pessoas se tornam violentas conforme o ambiente em que se vive. Foi ressaltado, também, os direitos dos homens, lembrando que, apesar de não existir uma lei específica para a proteção deles, todos estão amparados pela lei se forem vítimas de qualquer tipo de violência. E podem, inclusive, requerer medidas cautelares que são semelhantes às medidas protetivas normalmente concedidas às mulheres vítimas de violência doméstica. Ao final, a promotora de Justiça exibiu um vídeo sobre a temática.

O projeto “Homens que Agradam Não Agridem” tem como objetivo prestar aos homens de forma preventiva, educativa e reeducativa, informações específicas sobre gênero, violência doméstica e Lei Maria da Penha. A proposta é esclarecer, tirar dúvidas e discutir o tema com pessoas do sexo masculino.

A iniciativa está sendo desenvolvida em parceria com o Tribunal de Contas do Estado, Assembleia Legislativa, Sala da Mulher e Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social – SETAS.

Acesse no site de origem: MPE promove segunda palestra do projeto “Homens que Agradam Não Agridem” (Folha Max – 26/01/2017)