No AC, ex-marido é condenado a mais de 27 anos por morte de vendedora (G1/Acre – 06/10/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Adjunior Sena foi a júri popular nesta quinta (6), no Fórum Criminal. Keyla Viviane foi morta a facadas em frente à loja em que trabalhava

A Justiça do Acre condenou o ex-marido da vendedora Keyla Viviane do Santos, de 29 anos, morta a facadas em março deste ano em frente à loja em que trabalhava, a 27 anos e 6 meses de prisão pelo crime. A informação foi confirmada pelo Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC).
Adjunior Sena, de 32 anos, foi a júri popular nesta quinta-feira (6), no Fórum Criminal, na Cidade da Justiça, em Rio Branco. A decisão, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, saiu no início da tarde e cabe recurso.

Dois dias após o crime, a 10ª Promotoria do Júri do Ministério Público do Acre (MP-AC) divulgou imagens de uma câmera de segurança que flagrou toda a ação do ex-marido.

A família de Keyla, incluindo a avó, mãe e as duas filhas da vendedora, além de amigos acompanharam o julgamento.

“Não estou feliz pela condenação porque preferia minha tia aqui. Em relação ao tempo de pena, acredito que a justiça foi feita. Se a juíza acha que é esse o tempo que ele tem que pagar, tudo bem, apenas quero que pague pelo que fez. Acredito na Justiça brasileira e do nosso estado”, disse o sobrinho da vítima, Matheus Tavares.

Entenda o caso
A vendedora Keyla Viviane dos Santos, na época com 29 anos, foi morta a facadas pelo ex-marido, Adjunior Sena. O crime ocorreu no bairro Estação Experimental em frente à loja em que a vítima trabalhava.

Sena foi preso minutos após o crime. No dia 11 de maio, o caso teve a primeira audiência de instrução. Além do sobrinho da vítima, dois policiais militares que atenderam a ocorrência, a irmã e uma filha da vítima foram ouvidos.

No dia 14 de junho, a Justiça do Acre decidiu que o acusado iria a júri popular. A decisão foi assinada pela juíza substituta Ana Paula Saboya Lima, da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco.

Lei homenageia vítima

Sete meses após o crime, a Prefeitura de Rio Branco sancionou a lei 2.210, que leva o nome da vendedora e inclui no calendário oficial da cidade 1º de março como o “Dia Municipal da Não Violência Contra a Mulher”. O decreto foi publicado no Diário Oficial do dia 26 de setembro.

Com a nova lei, o município deve usar a data para promover atos públicos, palestras educativas, distribuir panfletos, fazer visitas a instituições que abrigam mulheres vítimas de violência e fazer também o reconhecimento de personalidades locais que lutam pela causa.

Dia de luta

Tia da vítima, a professora Maria Rosilda Nascimento diz esperar que a história da sobrinha inspire ações de combate à violência.

“A gente fica emocionada porque foi por um motivo triste, um pesadelo na vida da família, mas, ao mesmo tempo, a gente fica feliz por ser um dia para chamar atenção da sociedade sobre esse tipo de violência, que ainda atinge tantas mulheres. Vamos fazer o possível para que não seja apenas um dia no calendário, mas que seja para chamar atenção. Que seja um dia de luta”, disse.

Aline Nascimento
Do G1 AC

Acesse no site de origem: No AC, ex-marido é condenado a mais de 27 anos por morte de vendedora (G1/Acre – 06/10/2016)