No Amapá, MP registrou 1.952 casos de violência contra a mulher em 2013 (G1/AP – 30/04/2014)

Dados do Ministério Público foram colhidos em todos os 16 municípios. Em 92% dos casos o agressor é o próprio companheiro, aponta promotoria.

 

Dados do Ministério Público do Amapá apontaram que no ano de 2013 foram registrados 1.952 casos de violência contra a mulher nos 16 municípios do estado. Os casos foram acompanhados pela Promotoria de Defesa da Mulher e denunciados em maior número a partir da implantação da Lei Maria da Penha em 2006.

Os números divulgados pela promotoria nesta quarta-feira (30) foram obtidos através do Sistema de Cadastro de Casos de Violência Doméstica (Sicavid). Os indicadores apontam que em 92% das agressões, o responsável é o próprio companheiro e dessa parcela, 50% estavam convivendo na mesma casa com a mulher.

A promotora de defesa da mulher Alessandra Moro, enfatiza um dos dados mais relevantes registrados pelo Sicavid, o que aponta o número de mulheres que são agredidas mais de uma vez (73%) antes de denunciarem o caso à polícia. A promotora reforça que o crescimento a cada ano no número de ocorrências se dá pela implantação de políticas de orientação.

“Ao mesmo tempo em que nos espanta o crescimento, as mulheres estão cada vez mais indo à delegacia e registrando ocorrências contra os companheiros. Em muitos casos não é preciso nem uma situação extrema para haver essa denúncia, tanto que muitas delas após se entenderem com o companheiro acabam espontaneamente retirando a queixa”, frisa a promotora.

A capital lidera o número de ocorrências com 1.304 casos, seguido do município de Santana com 369 registros de violência, aponta a promotoria.

A apresentação dos dados aconteceu no Dia Nacional da Mulher celebrado em 30 de abril. Em Macapá, a data foi marcada pela presença da cearense Maria da Penha, de 69 anos, que deu nome à lei brasileira de combate a violência doméstica contra a mulher.

John Pacheco,do G1 AP

Acesse no site de origem: No Amapá, MP registrou 1.952 casos de violência contra a mulher em 2013 (G1/AP – 30/04/2014)