Oeste Paulista não possui abrigo para mulheres vítimas de violência (G1/Prudente e Região – 02/06/2014)

Mulheres dizem que continuam em situação de riscos por não terem opção. Local de acolhimento mais próximo fica a cerca de 300 km

Clique na imagem para assistir à reportagem

Clique na imagem para assistir à reportagem

A região de Presidente Prudente não conta com abrigos para mulheres que são vítimas de violência domésticas. Esta situação faz com que, muitas vezes, a tortura física e psicológica se prolongue justamente pela falta de opção a quem recorrer.

De acordo com uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 2,7% das cidades do país possuem locais para receberem mulheres nestas condições de risco.

“O Governo Federal oferece toda uma linha de financiamentos para a implantação do abrigo. Agora, nos Estados, aqueles vão implantar o abrigo tem que ter um órgão responsável pela Política das Mulheres. O Estado de São Paulo não possui esse órgão, o que atrapalha a implantação na região”, explicou a coordenadora do Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas), Simone Duran.

Ainda segundo ela, o Creas atende por mês cerca de 50 mulheres. No passado, 29 precisaram de abrigo, mas como a cidade não possui, tiveram que procurar locais por conta própria.

“A gente percebe que as mulheres que não têm esse apoio dificilmente conseguem romper com a violência e, muitas vezes, voltam para casa, ‘para viver aquele inferno particular’ com seus filhos”, ressaltou.

Uma mulher de 56 anos, que não quis se identificar, conta que foram mais de 30 anos apanhando do marido dentro de casa. “Ele aparecia na esquina e eu começava a tremer dentro de casa. Ele dava cada bofetão em mim que eu caía no chão”.

Conforme a vítima de agressão, se tivesse um lugar para ir, provavelmente ela e a filha teriam tido uma história diferente. “Não teria sido assim, porque eu pegaria a minha filha e teria corrido para lá”, falou.

Segundo a Secretaria de Políticas Para as Mulheres, órgão do Governo Federal, não existe nenhum projeto para a construção de abrigos no Oeste Paulista. No município, uma Organização Não Governamental (ONG) ou o Estado podem apresentar propostas com este objetivo. O abrigo mais próximo da nossa região fica há quase 300 km, em São José do Rio Preto.

Acesse no site de origem: Oeste Paulista não possui abrigo para mulheres vítimas de violência (G1/Prudente e Região – 02/06/2014)