ONU Mulheres e Instituto Avon apresentam resultados de projetos sobre a Lei Maria da Penha desenvolvidos em comunidades do RJ (ONU Mulheres – 08/12/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Onze grupos e coletivos comunitários da Cidade de Deus, Complexo do Alemão, Complexo da Maré, Morro do Vidigal, Pavão, Pavãozinho, Tavares Bastos, Formiga – todos na capital fluminense – e em Duque de Caxias, São João do Meriti e São Gonçalo fortaleceram suas ações para prevenir e enfrentar a violência contra as mulheres

Clique aqui para assistir aos vídeos na playlist “Mulheres fortalecendo a Lei Maria da Penha” do youtube da ONU Mulheres Brasil

Acesse aqui o edital 2016 do Fundo Fale Sem Medo | Fundo Elas

Barraca de direitos no Saara, terreiro, bingo, gastronomia e montagem de buffett, rádio comunitária, arte e cultura, futebol, grafite e planejamento da cidade. O que essas ações têm em comum é a liderança de mulheres na prevenção da violência e no incentivo às suas comunidades para o acesso da Lei Maria. Financiado pelo Instituto Avon em cooperação inédita com a ONU Mulheres e apoio do Fundo Elas, o projeto “Educação para os Direitos das Mulheres: Disseminando Conhecimento sobre a Lei Maria da Penha e seu Uso” beneficiou 11 grupos e coletivos comunitários na Cidade de Deus, Complexo do Alemão, Complexo da Maré, Morro do Vidigal, Pavão, Pavãozinho, Tavares Bastos, Formiga – todos na capital fluminense – e em Duque de Caxias, São João do Meriti e São Gonçalo.

Os projetos-piloto realizados no estado do Rio de Janeiro acessaram os recursos do Fundo Fale Sem Medo, do Instituto Avon, no valor total de R$ 300 mil. Participaram da primeira seleção, ocorrida em 2013, e executada ao longo de 2014. O terceiro edital de seleção de projetos está aberto e receberá inscrições até 15 de janeiro de 2016. Neste concurso, R$ 3 milhões serão divididos por 30 projetos de todo o país.

Para Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil, projetos tem resultados imediatos e de longo prazo pela relação que elas têm com suas comunidades. “Os recursos, o reconhecimento do trabalho e a capacitação são empoderadores das mulheres. Esse poder você vê na vida delas e das comunidades”, afirma Gasman. O diretor executivo do Instituto Avon, Lírio Cipriani, lembra que “a violência contra as mulheres atinge as próprias mulheres, as famílias e a sociedade”.

Empoderamento – “Eu nunca me vi como líder. Hoje, eu faço as pessoas se sentirem líderes. Eu me capacitei e procuro capacitar as outras mulheres”, diz LucyLayne Nascimento, multiplicadora da Casa Mulher Trabalhadora (CAMTRA), que realiza oficinas com mulheres jovens em Duque de Caxias.

No Morro do Vidigal, a Associação de Mulheres de Ação e Reação (AMAR) criou o projeto Matriarcado Empoderado: Mulheres do Vidigal contra a Violência de Gênero. Foram realizadas oficinas de expressão corporal, de arte do pincel e bingo Maria da Penha. “A nossa base de luta é o combate à violência contra as mulheres. Mas o nosso acolhimento inicial é com a base da saúde e com ela trabalhamos a cultura africana. Foi a forma que a gente encontrou. Fizemos um diálogo direto entre nós e a comunidade”, conta Aline Fernandes, presidenta da AMAR

Aliando comunicação e viver sem violência como direitos humanos, no Complexo do Alemão, as mulheres discutem os seus direitos nas ondas do rádio. “A base da rádio são mulheres da comunidade. As rádios comunitárias são ambientes muito machistas. Hoje, eu sou diretora de gênero da Associação de Rádios Comunitárias do Rio de Janeiro”, destaca Sheila Andrade, coordenadora da Rádio Mulher.

No Complexo da Maré, o empoderamento das mulheres se dá pela conhecimento sobre a sua própria condição e pela inclusão produtiva. “O projeto se organiza em duas vertentes: qualificação profissional e geração de renda. Além das aulas de gastronomia, a gente tem oficina de gênero e cidadania. A gente vê atitude de mudança no interesse em saber sobre os próprios direitos, direitos sexuais e reprodutivos, saúde da mulher”, elenca Shirley Villela, coordenadora geral do Maré dos Sabores.

Assista aqui aos vídeos com registros dos projetos.

Saiba mais abaixo sobre os projetos:

Associação Instituto JC3
Projeto: Arte, Cultura e Cidadania Jovem. Áreas: Comunicação, Arte e Cultura
Ações seminário Gênero e Direitos Humanos com jovens, oficinas para criação de músicas comprometidas com a violência contra as mulheres, para criação de esquetes interativos e arte do grafite
Local: São Gonçalo/RJ

Associação Redes de Desenvolvimento da Maré Projeto: Maré de Sabores
Ações: oficinas de direitos humanos, oficinas de gastronomia, aquisição de utensílios para montagem de um buffet.
Local: Complexo da Maré – Rio de Janeiro/RJ

AMAR – Associação de Mulheres de Ação e Reação
Projeto: Matriarcado Empoderado: Mulheres do Vidigal contra a Violência de Gênero
Ações: Oficinas temáticas relacionadas à violência de gênero, oficinas de expressão corporal, de arte do pincel e bingo Maria da Penha.
Local: Morro do Vidigal – Rio de Janeiro/RJ

Associação de Mulheres do Morro do Alemão
Projeto: Pela Vida, Pela Paz: Uma campanha comunitária da Rádio Mulher
Ações: ampliação da equipe, criação da campanha, convocação de outras rádios comunitárias para a promoção da cultura de paz.
Local: Complexo do Alemão – Rio de Janeiro/RJ

CAMTRA – Casa da Mulher Trabalhadora
Projeto: Mulheres Jovens no Combate às Diversas Formas de Violência na Baixada Fluminense
Ações: Formação com jovens e atividades de enfrentamento à violência contra as mulheres
Local: Duque de Caxias/RJ

CEDAPS
Ações: 10 comunidades, planos locais de ação, coletividade nas soluções de problemas no âmbito do projeto Cidades Seguras para as Mulheres
Local: Rio de Janeiro/RJ

CEPIA – Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação
Projeto: Cidadania e Enfrentamento da Violência contra as Mulheres em Comunidades Pacificadas.
Ações: oficina de formação com lideranças
Locais: Pavão Pavãozinho, Tavares Bastos e Formiga – Rio de Janeiro/RJ

COMZO – Conselho de Mulheres da Zona Oeste
Projeto: Empoderamento de Mulheres de Urucânia
Ações: oficinas sobre temas relacionados à violência, construção de uma campanha, participação nos espaços de controle social.
Local: Santa Cruz – Rio de Janeiro/RJ

Grupo Guerreiras
Projeto: Mudando Cabeças, Corpos e Campos
Ações: campanha comunitária com profissionais de futebol feminino como embaixadoras pelo fim da violência contra a mulher no Rio de Janeiro visando criar oportunidades para que tenham conhecimento sobre o tema.
Local: Copacabana – Local: Rio de Janeiro/RJ

Ilê Omolu Oxum
Projeto: Obirin Odara Mulheres Guerreiras contra a Violência.
Ações: elaboração de um diário sobre a situação de violência, parcerias com órgãos públicos, oficinas contra a violência e sobre direitos das mulheres, mesa de diálogo com as autoridades do município
Local: São João de Meriti/RJ

Trajetória
Projeto: Mulher, Cultura e Economia Criativa
Ações: oficinas, palestras e atendimentos às mulheres da comunidade
Local: Cidade de Deus – Rio de Janeiro/RJ

Acesse no site de origem: ONU Mulheres e Instituto Avon apresentam resultados de projetos sobre a Lei Maria da Penha desenvolvidos em comunidades do RJ (ONU Mulheres – 08/12/2015)