Plenário do TJAP recebe o primeiro curso de capacitação para agentes do projeto “Namoro sem Violência” (TJAP – 05/07/2017)

O primeiro curso de capacitação para agentes multiplicadores do projeto “Namoro sem Violência”, do Governo do Amapá, aconteceu no Plenário do Tribunal de Justiça do Amapá – TJAP. A realização é do Centro de Atendimento à Mulher e à Família – Camuf. Foram mobilizadas 150 pessoas, entre agentes de segurança pública e técnicos de instituições de amparo e prevenção à violência contra a mulher e à juventude.

A coordenadora do CAMUF, Patrícia Palheta, explica as motivações e metas da capacitação. “O CAMUF tem um setor de prevenção, que identificou nas escolas a ocorrência de diversas formas de violência entre os jovens. Constatamos também que essa violência parte tanto do menino para a menina, quanto da menina para o menino, na mesma proporção”.

Um questionário elaborado pela equipe multidisciplinar do CAMUF foi aplicado a alunos de cinco escolas, tendo como resultado a percepção de diversas formas de violência, sobretudo nas relações de namoro. “Encontramos indícios e relatos de violência física, psicológica, sexual, moral e patrimonial, todas as tipificações que são apresentadas pela Lei Maria da Penha”, relatou a coordenadora.

Com a hastag #namoroviolentonãoéamor, a campanha busca atingir os jovens por meio das redes sociais na internet. Com o curso, o público alvo são os profissionais e membros da sociedade civil, para que essas pessoas possam multiplicar os conteúdos nas escolas públicas e privadas, além de outras entidades onde os jovens se agregam, por meio de palestras educativas, dinâmicas em grupo, vídeos de conscientização e sensibilização, aplicação de questionários de pesquisas, concurso de redação, rodas de conversa e a criação de um manifesto em vídeo com todos os jovens participantes.

A iniciativa do CAMUF/AP é inédita no Brasil, segundo Patrícia Palheta. “Existe um projeto em Portugal que se assemelha a esse nosso. Mas, essa hastag e esse formato que estamos utilizando é um projeto inovador no Brasil. Sobretudo porque atua no início do processo de violência, que é o namoro. Temos registro de casos de violência que evoluíram para o suicídios e é isso que queremos evitar.

Rilene Masacarenhas, pedagoga e psicóloga do CAMUF/AP, participou do curso como palestrante sobre o tema “Ciúme Patológico”. Ela afirma que o ciúme está na raiz da maioria dos casos de violência no namoro. “Essas relações cada dia vão apresentando um desconforto, com aumento do ciúme vem baixa estima, angústia, depressão, suicídio e homicídio. Essas práticas obsessivas de fiscalização do celular, dos horários, das redes sociais, controle da forma como o outro se veste, com quem conversa, acabam por revelar um transtorno paranóico, quando a desconfiança abusiva é patológica”, explica ela.

A psicóloga relata que o público jovem hoje já é uma realidade como cliente do CAMUF. “Encontramos essa realidade do ciúme violento tanto nas relações heteroafetivas como nas relações homoafetivas, e num público cada vez mais precoce”, revela Rilene. Segundo ela, o sofrimento ocorre tanto na pessoa que é vítima do ciúme, quando naquela que apresenta o transtorno. “O jovem, ou a jovem, deixa de ter sua própria vida para se dedicar a fiscalizar o parceiro ou a parceira em todas as suas relações, até nos seus pensamentos”, explica.

O curso de capacitação “Namoro sem Violência” é uma parceria da Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres com as secretarias estaduais de Educação e de Políticas para a Juventude. A iniciativa conta com apoio do Tribunal de Justiça do Amapá.

Acesse no site de origem: Plenário do TJAP recebe o primeiro curso de capacitação para agentes do projeto “Namoro sem Violência” (TJAP – 05/07/2017)