Polícia afasta delegado que primeiro investigou estupro de adolescente (Folha de S.Paulo, 07/06/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

O delegado Alessandro Thiers, da Polícia Civil do Rio foi afastado, nesta noite de terça (7), da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática. Thiers foi o responsável por iniciar as investigações do estupro da adolescente de 16 anos nas noites de 21 e 22 de maio passado numa favela da zona oeste do Rio.

Leia mais: Alerj fará moção de repúdio a delegado afastado do caso de estupro coletivo (Extra – 07/06/2016)

A decisão de retirar o delegado Thiers foi do Chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso e está publicada no Boletim Interno da Polícia Civil do Rio desta terça.

À frente da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, Alessandro Thiers se notabilizou por investigar crimes de grande repercussão como a atuação de black blocs nas manifestações de 2013 e os ataques racistas a atriz Tais Araújo pelas redes sociais.

A divulgação em uma rede social do vídeo de uma adolescente sendo estuprada levou o caso à delegacia de Thiers. A sua equipe chegou a identificar os primeiros envolvidos no caso, mas o policial entendeu que não deveria pedir à Justiça a prisão dos suspeitos de violentarem a adolescente.

Thiers foi afastado da investigação do estupro após protestos da advogada Eloisa Samy e do Ministério Público estadual sobre a atuação do delegado no depoimento da adolescente. Na ocasião, Thiers chegou a perguntar a jovem se ela “costumava fazer sexo em grupo”.

A delegada Daniela Campos Terra, atualmente numa delegacia na zona oeste do Rio, 33ª DP, em Realengo, assume a DRCI.

Procurado, Alessandro Thiers não comentou a decisão da Chefia de Polícia. O policial aguarda nova lotação.

Infográfico: Via-crúcis depois do estupro

CRONOLOGIA DO CASO

21.mai.2016 – A adolescente é estuprada de madrugada no complexo de favelas São José Operário, zona oeste do Rio, após ir a um baile funk

24.mai.2016 – A vítima fica sabendo que um vídeo seu circula na internet e volta ao morro para falar com o chefe do tráfico e tentar reaver seu celular, que havia sido roubado

25.mai.2016 – A família da menina é avisada por um vizinho sobre a gravação. No vídeo, em meio a risadas, um grupo de homens toca nas partes íntimas da garota e diz que ela foi violentada por “mais de 30”. Em 2009, a lei 12.015 foi alterada e passou a considerar como estupro, além da conjunção carnal, atos libidinosos

26.mai.2016 – A jovem presta o primeiro depoimento à polícia, é medicada em um hospital e faz exames no IML (Instituto Médico Legal)

27.mai.2016 – Ela presta mais dois depoimentos à polícia, assim como dois dos suspeitos de participar do crime; a polícia localiza a casa em que o estupro aconteceu

28.mai.2016 – A então advogada da vítima, Eloísa Samy, pede à Promotoria do Rio o afastamento do delegado Alessandro Thiers. Segundo Samy, Thiers estava tratando o caso com “machismo e a misoginia”

29.mai.2016 – Pressionada, a Polícia Civil do Rio passa o comando das investigações à delegada Cristiana Bento, da DCAV (Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima); a pedido da família, a Defensoria Pública passa a defender a menina

30.mai.2016 – Polícia Civil realiza operação para prender seis suspeitos de participar do crime; Rai de Souza, 22, e Lucas Perdomo, 20, são detidos

31.mai.2016 – A vítima e sua família entram no programa federal de proteção à testemunha, o que significa que a menina pode ganhar uma nova identidade e deixar o Rio

1º.jun.2016 – Um terceiro suspeito se apresenta à polícia. Raphael Duarte Belo, 41, aparece no vídeo fazendo uma selfie ao lado do corpo da jovem

2.jun.2016 – Polícia Civil do Rio pede a prisão de mais dois homens: Moisés de Lucena, que foi acusado pela vítima de tê-la segurado, e um homem identificado como Jeferson. Com isso, passam a ser oito os suspeitos de envolvimento no crime.

3.jun.2016 – Lucas Perdomo é solto pela Justiça. Delegada afirmou não ter provas suficientes para mantê-lo preso

5.jun.2016 – Polícia Civil diz que há segundo vídeo que prova estupro da adolescente; ela aparece reagindo e rejeitando contato sexual, disse a delegada do caso

7.jun.2016 – Perícia conclui que há quatro vozes no primeiro vídeo sobre o estupro

Marco Antônio Martins

Acesse no site de origem: Polícia afasta delegado que primeiro investigou estupro de adolescente (Folha de S.Paulo, 07/06/2016)