Prefeitura de São Paulo promove atividades nos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher, de 20/11 até 10/12/2014

A Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres inicia, a partir do dia 20 de novembro, “Dia da Consciência Negra”, a Campanha “16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher”, que se estende até o dia 10 de dezembro, “Dia Internacional dos Direitos Humanos”, com diversas atividades na cidade

Os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher é uma campanha realizada em diversos países do mundo que tem por objetivo dar visibilidade à violência contra a mulher, sensibilizar a sociedade e discutir formas de enfrentamento. Internacionalmente, ela tem início no dia 25 de Novembro, Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher. No Brasil, a campanha inicia no dia 20 de Novembro, Dia da Consciência Negra, dada a importância desta data na luta pela igualdade e termina no dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

A Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres de São Paulo, dentro das políticas públicas que já desenvolve para o enfrentamento à violência contra as mulheres, junta-se a essa campanha de promoção e efetivação dos seus direitos humanos.

Durante a Campanha, a SMPM desenvolverá atividades de discussão e debate sobre o tema da violência, articulando serviços públicos, organizações não governamentais e movimentos de mulheres, divulgará seus serviços e materiais informativos e promoverá atividades culturais.

Um pouco mais sobre o dia 25 de Novembro
Em 1981, na Colômbia, durante o Primeiro Encontro Feminista Latino-americano e caribenho foi instituído o Dia Latino-americano e caribenho de combate à violência contra a mulher em homenagem às irmãs Mirabal: Pátria, Minerva e Maria Tereza, ativistas políticas brutalmente assassinadas na República Dominicana em 25 de novembro de 1960.
Quando o ditador Rafael Trujillo chega ao poder na República Dominicana, as irmãs Mirabal formam um grupo de oposição ao regime e passam a ser conhecidas como “Las Mariposas” (“As borboletas”). Em 1960, são perseguidas pelo regime, apunhaladas e estranguladas. O crime acaba tendo muita repercussão e causa grande comoção no país, despertando a consciência do povo para o regime de opressão e culminando com a morte de Rafael Trujillo em 1961.
Quase 40 anos depois, em 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas declara que o dia 25 de novembro é o Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher em homenagem às “Las Mariposas”.

Programação

De 20 de novembro a 10 de dezembro
Exposição “Manifesto Poético Feminista – 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher” – Galeria Olido – Avenida São João, 473.
Abertura: 20/11, às 18 horas.

Dia 25/11
Seminário de introdução ao curso de direitos sexuais e reprodutivos da Secretaria Municipal de Saúde (Regional Sudeste) e Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres. Local: Universidade São Camilo – Avenida Nazaré, 1501 – Ipiranga – Horário: das 9 às 17 horas

Dia 26/11
Diálogo sobre o Enfretamento à Violência contra a Mulher, os 16 dias de ativismo e Participação Social com a Secretária Municipal de Políticas para Mulheres Denise Motta Dau. Local: Praça Digital do Centro Cultural São Paulo, Rua Vergueiro, 1000. Horário: 16 horas.
Cia Gotas d’Arte, com apresentação das peças “Naturezas Mortas” e “Folhas Secas Morrem no Mar”. Direção de Cláudia Bonina. Local: Sala dos Estudantes, Faculdade de Direito, Largo São Francisco, s/n (com Centro de Referência da Mulher 25 de Março). Horário: das 13.30 às 17 horas
Divulgação da rede de serviços – Terminal Santo Amaro (Avenida Padre José Maria, 400) – Parceria com Projeto Antônia (Centro de Cidadania da Mulher/ Santo Amaro). Horário: das 11 às 16 horas
Roda de Conversa “Estereótipo da Mulher Negra na mídia”, em parceria com Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Étnico Racial. Local: Centro de Cidadania da Mulher/Perus- Rua Joaquim Antônio Arruda 74, Perus. Horário: 14 horas

Dia 27/11
Diálogo para fortalecimento da rede no Campo Limpo, com Ana Flávia d’Oliveira (Faculdade de Medicina da USP) e Branca Paperetti (Casa Eliane de Grammont). Local: Subprefeitura de Campo Limpo, Rua Nossa Senhora do Bom Conselho, 59. Horário: das 9 às 12 horas.
Tenda para divulgação do Centro de Cidadania da Mulher/Perus e rede de atendimento local. Local: Calçadão da Estação da CPTM – Perus. Horário: das 10 às 16.30 horas

Dia 28/11
Divulgação da rede de serviços no Poupatempo de Itaquera – Avenida do Contorno, 60. Horário: das 9 às 12 horas (Centro de Cidadania da Mulher/Itaquera)

Dia 02/12
Lei Maria da Penha: conquistas e desafios. Local: Centro de Cidadania da Mulher/Perus (Rua Joaquim Antônio Arruda 74, Perus). Horário: das 10 às 12 horas e das 14 às 16 horas

Dia 03/12
Divulgação da rede de serviços no terminal Pq. D. Pedro (Avenida do Estado, s/nº). Horário:das 8 às 11 horas
Divulgação da rede de serviços no terminal Grajaú (Avenida Dona Belmira Marin, altura do nº 500, promovido pelo Centro de Cidadania da Mulher/Capela do Socorro. Horário: das 10 às 17 horas
Palestra “Esclarecimento Lei Maria da Penha e Direitos da Mulher”, UBS Jardim Embura, Estrada Benito Schumeck, 08. Horário: das 08 às 10 horas (promovido pelo Centro de Cidadania da Mulher/ Parelheiros)

Dia 04/12
Palestra “Esclarecimento Lei Maria da Penha e Direitos da Mulher”, UBS Jardim Ipurá, Rua Forte de Ladário, 61, Jd. Ipurá. Horário: das 14 às 16 horas (promovido pelo Centro de Cidadania da Mulher/ Parelheiros)

Dia 05/12
Diálogo para fortalecimento da rede em São Miguel, com Maria Lúcia Silveira (socióloga, Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres e Branca Paperetti (Casa Eliane de Grammont).
Local: Subprefeitura de São Miguel Paulista (R. Dona Ana Flora Pinheiro de Souza, 76). Horário: das 9 às 12 horas
Oficina de Contação de Histórias, Centro de Cidadania da Mulher/Capela do Socorro, Rua Professor Oscar Barreto Filho, 350 – Grajaú. Horário: 15 horas