Professor acusado de assédio por alunas é suspenso da UnB por 60 dias (Correio Braziliense – 25/04/2017)

A apuração do caso teve início em 2015 após alunas denunciarem o professor por meio da campanha #meuamigosecreto, nas redes sociais

A Universidade de Brasília (UnB) suspendeu por 60 dias o professor de audiovisual  Mauro Giuntini, que lecionava na Faculdade de Comunicação (FAC), após acusações de assédio. O ato, assinado pela reitora Márcia Abrahão, foi publicado na terça-feira da semana passada (18/4) e reconhece que Giuntini infringiu a lei que dispõe sobre o comportamento exigido do servidor público. 

Em dezembro de 2015, o Conselho da FAC enviou à reitoria um dossiê com relatos de alunas que teriam sido vítimas dele, em sala de aula. O documento, organizado pelo Centro Acadêmico de Comunicação Social (Cacom/UnB), apresentou relatos de que o docente fazia comentários machistas e obrigava as jovens a ficarem em posições constrangedoras durante atividades da disciplina. As denúncias referem-se a abusos ocorridos em diversos semestres e vieram à tona por meio da campanha #meuamigosecreto, nas redes sociais.

À época, os relatos apontavam que o professor exigia que os alunos ficassem de quatro, como animais, sob justificativa de que a atividade “ajudaria na formação profissional”. Mesmo as estudantes que estavam de saia eram obrigadas a participar da dinâmica. Quando elas manifestavam desconforto em cumprir o que o docente pedia, em razão do traje, ele ignorava os apelos. Em outra aula, segundo o documento, o professor teria comentado, de forma constrangedora, sobre as pernas de uma aluna que estava de short.

Ainda cabe recurso da decisão. Em nota, a Universidade de Brasília diz que prefere não se pronunciar sobre o caso. A reportagem tentou contato com o professor Mauro Giuntini, mas ele ainda não foi encontrado para comentar a suspensão.

Hellen Leite

Acesse no site de origem: Professor acusado de assédio por alunas é suspenso da UnB por 60 dias (Correio Braziliense – 25/04/2017)