Profissionais de Brasileia e Epitaciolância discutem Rede de Atendimento à Mulher (AgNotícias/AC – 01/08/2012)

Dando continuidade ao fortalecimento das ações do enfrentamento à violência contra as mulheres nos municípios do Acre, a coordenadora de Direitos Humanos da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Joelda Pais, se reuniu nos dois últimos dias 30 e 31, com a Rede de Atendimento à Mulher nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia. O objetivo foi o de verificar como está a aplicação da Lei Maria da Penha e como anda a articulação entre os serviços de atendimento entres os dois municípios.

Encontro reuniu representantes de diferentes instituições que atendem mulheres vítimas de agressão (Foto: Joelda Pais/AgAC)

Encontro reuniu representantes de diferentes instituições que atendem mulheres vítimas de agressão (Foto: Joelda Pais/AgAC)

Na segunda-feira, 30, foi feita uma reunião com os profissionais do Centro de Referência para passar as diretrizes. Na terça-feira, 31, durante todo o dia, houve o encontro com a Rede.

Participaram do encontro todos os profissionais de saúde e de assistência social. Segundo a coordenadora de Direitos Humanos, Joelda Pais, nos municípios existem todos os órgãos que compõe a Rede de Atendimento à Mulher. “Eles têm a Delegacia, o Tribunal de Justiça, o Ministério Público, o CRAS, o Creas, o Centro de Referência e a Casa Abrigo que está em Rio Branco, mas atende tanto a Brasileia quanto a Epitaciolândia”.

Para a coordenadora existe uma fragilidade no que se refere à articulação entre as instituições. “Essa fragilidade é algo que precisa deixar de existir pois o entendimento entre todos é de fundamental importância para o bom atendimento à mulher vítima de violência. Há um pedido, inclusive, para que volte o núcleo de atendimento  na delegacia. Em contrapartida, há um interesse coletivo em fazer com que tudo ocorra da melhor maneira”, explicou Joelda.

Ficou acertado que na primeira semana de setembro será realizada uma oficina sobre o fluxograma de atendimento à mulher vítima de agressão, de acordo com o que estabelece a Lei Maria da Penha. “Vamos nos articular com a Secretaria Estadual de Saúde para ver a possibilidade de uma capacitação aos profissionais em saúde nesses dois municípios”.

“O governo do Acre está preocupado em levar o atendimento certo e de qualidade às mulheres vítimas de agressão a todos os municípios. E estamos fazendo isso da melhor forma para que todas as instituições participem ativamente desse processo, afinal para que a mulher se sinta segura é necessário que todos caminhem juntos na mesma direção. É isso que estamos fazendo”, disse a secretária da SEPMulheres, Concita Maia.

Acesse em pdf (223 KB): Profissionais de Brasileia e Epitaciolância discutem Rede de Atendimento à Mulher (01/08/2012), por Melissa Jares (SEPMulheres) ou no site Agência de Notícias do Acre