Projeto leva Lei Maria da Penha às escolas do Rio de Janeiro (O Fluminense – 13/02/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

As agressões às mulheres e a Lei Maria da Penha serão temas de palestras em escolas estaduais a partir de março

A Secretaria de Educação e o Ministério Público, por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica e Familiar, reforçaram a parceria que dá continuidade ao projeto Conversando sobre a Lei Maria da Penha nas escolas.

A iniciativa busca combater a violência doméstica e familiar contra a mulher, através da informação, tendo como base o Dossiê Mulher 2015. A partir de março, serão realizadas palestras de conscientização para alunos do Ensino Médio e servidores da rede estadual, em unidades escolares da Zona Oeste e do Centro do Rio.

De acordo com o documento elaborado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), essas local idades apresentam índices elevados de violência contra a mulher.

Reflexão – A promotora de Justiça e subcoordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica Contra a Mulher, Alexandra Feres, explica que a proposta é promover a reflexão e conseguir chegar ao maior número de jovens.

“Nosso objeto é trabalhar de forma preventiva.

Buscamos esclarecer os jovens quanto à Lei Maria da Penha, além de orientar os educadores sobre como a escola pode ajudar em situações de violência doméstica.

É importante que os promotores nos outros municípios também façam parte desse projeto e que a gente consiga ampliar essa sensibilização para todo o estado”, disse.

Parceria – A coordenadora de Diversidade e Inclusão Educacional da Seeduc, Célia Virmond, destacou que essa parceria com o Ministério Público reforça o trabalho que já vem sendo desenvolvido pela pasta.

“Desde 2012, a secretaria desenvolve o projeto Mulher que faz a diferença. O objetivo é valorizar a mulher, combater a intolerância e promover ações preventivas em relação à violência doméstica e sexual por meio de palestras e discussões no espaço escolar. O trabalho em conjunto com o ministério fortalece o trabalho em rede para a conscientização dos alunos”, ressaltou.

Cronograma – O cronograma com as escolas que receberão o projeto está sendo elaborado.

As palestras serão ministradas por promotores de Justiça, no turno da tarde.

Durante os encontros, serão distribuídos cartazes e cartilhas sobre a Lei Maria da Penha, os direitos da mulher e os locais de atendimento em caso de violência doméstica. Em 2015, o projeto chegou a 14 unidades escolares da rede estadual.