Projeto leva Lei Maria da Penha em cordel para as escolas (Capital Teresina – 10/09/2015)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Feito a partir dos artigos da Lei que pune crimes de violência doméstica contra a mulher, o artista cearense, cordelista e arte educador, Tião Simpatia, escreveu “A Lei Maria da Penha em Folheto de Cordel. Tendo sido traduzido para espanhol e inglês, o cordel foi considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como obra de grande relevância sociocultural.

Para a apresentação e acesso a esse conhecimento, Tião tem percorrido escolas públicas de Teresina com o projeto “Lei Maria da Penha nas Escolas”. No ano passado, o projeto atendeu mais de 20 mil alunos, do 6° ao 9° do ensino fundamental, em 50 escolas.

Na última terça (8), Tião Simpatia esteve na Escola Municipal Minha Casa, localizada no bairro Matadouro, zona norte da capital. Lá, o cordelista fez uma apresentação bem didática com a leitura de seu cordel e cantou repente sobre a Lei para os alunos.

Para a professora Leiliane Veloso, o projeto é muito importante para que os alunos “saiam desse quadrado. É importante aprender de outras formas que não seja a aula convencional e tratar de temas importantes como esse”, conta. Ainda segundo a professora, as crianças interagiram muito bem com o artista. “Vão explicar tudo para os pais também”.

Após a apresentação, Tião deixou na escola o seu DVD para que o tema seja apresentado para outras turmas e o debate levado adiante.

O projeto é realizado através da Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (CMPM) em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SEMEC). O Lei Maria da Penha em Cordel nas Escolas já passou por várias escolas e ainda percorre a zona norte de Teresina.

A Lei Maria da Penha em Folheto de Cordel

Lançado em 2011, o cordel possui uma leitura fácil levando ao entendimento de como funcionam os principais pontos da lei Maria da Penha, uma das mais bem-sucedidas no Brasil nos últimos anos. Ela leva o nome de uma farmacêutica cearense que ficou paraplégica depois de ser agredida pelo marido e ter sofrido seguidas tentativas de homicídios.

Autor: Claryanna Alves

Acesse no site de origem: Projeto leva Lei Maria da Penha em cordel para as escolas (Capital Teresina – 10/09/2015)