Prostituição infantil com vistas para o Parque Olímpico (El País – 29/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Polícia Civil do Rio lança operação para prender quadrilha que explorava sexualmente adolescentes em apartamento de luxo

A proposta pode parecer um sonho para qualquer jovem querendo ser famosa. A “Bolsa de Estudos Completa para modelos e candidatas a miss” inclui moradia em um apartamento de luxo com vistas para o Parque Olímpico, alimentação balanceada completa, serviço de limpeza e lavanderia, motorista particular em carro de luxo, ensaios fotográficos, academia, festas, viagens e até massagens. Tão bom, quanto suspeito. Os benefícios eram anunciados num site (sonhosdemodelo.com), que prometia investir nas carreiras de jovens, entre 14 e 21 anos, com talento e “desejo ardente de ser modelo, atriz, ou cantora”. A realidade, porém, era bem outra.

Uma investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro descobriu que atrás das promessas há uma quadrilha de exploração sexual de menores. Graças ao site e outros anúncios em redes sociais, os chefes da gangue, Márcio Garcia, de 33 anos, e Jonathan Alves, de 24, conseguiam atrair adolescentes para se prostituírem. A dupla mantinha alugados há um ano três apartamentos em um condomínio de luxo na Barra de Tijuca, de frente para o Parque Olímpico. “Tudo aponta que a intenção deles era aproveitar o aumento da demanda por causa da Olimpíada”, explica a delegada responsável do caso, Cristiana Bento.

Um dos apartamentos servia de residência a pelo menos quatro adolescentes. Decorado com paredes rosas e desenhos de Hello Kitty e das Meninas Superpoderosas, era monitorado por câmeras 24 horas. Elas nunca saíam de casa sozinhas, submetidas a uma espécie de cárcere privado, segundo apurou a polícia com os vizinhos, que vinham reclamando há tempos do barulho das festas do grupo. No mesmo prédio, mas numa cobertura de luxo, com jacuzzi no terraço, morava Marcio, o líder da quadrilha, um homem obcecado com os próprios músculos, amante das armas, e que se define no Instagram como um “empresário entre Miami e Rio”. No terceiro apartamento residia Jonathan, o gerente e homem dos recados de Márcio. Jonathan exibia enormes relógios e cordões de ouro e brincava, nas redes sociais, entre carros de luxo: “Todos os dias de manhã essa indecisão! Nunca sei com qual eu vou!”

Quando os agentes bateram na porta dos apartamentos nesta quinta-feira não tinha mais ninguém. Entre os objetos apreendidos havia lingerie, testes de HIV, de sífilis, pílulas do dia seguinte, algemas, preservativos e um monte de anabolizantes. As investigações apontam o possível vínculo da gangue com o tráfico internacional de drogas e revelam o alto padrão de vida dos líderes, que ostentavam nas suas contas das redes sociais seus músculos, suas viagens, e carros. Ambos, foragidos e com mandados de prisão decretado, tinham namoradas menores de idade.

Segunda operação às vésperas dos Jogos

Esta é a segunda operação em menos de um mês que persegue a prostituição infantil voltada aos Jogos Olímpicos, que começam no Rio no dia 5 de agosto. Semanas atrás, três adolescentes foram resgatadas na orla da praia do Recreio, a 11 quilômetros do Parque Olímpico. Entre elas estava Carol*, de 17 anos, que considera-se uma “mulher independente” desde os 10. Parou de estudar na quinta série e não tem familiares para quem ligar nem muito menos pedir dinheiro. Na prostituição desde os 12 anos, costuma se exibir em vários pontos da cidade do Rio.

Luciana, de 17 anos, começou a se prostituir para se sustentar há cerca de um ano, quando foi expulsa de casa pela própria mãe ao denunciar que seu padrasto quis estuprá-la. A mãe da adolescente não acreditou e cortaram toda comunicação. Hoje Luciana se prostitui a 40 quilômetros da sua casa.

Maria chorou quando perguntada por que se prostitui.Tem 16 anos e transa com homens em troca de dinheiro desde os 15. Sua mãe, faxineira desempregada, sabe e a repreende, mas ela não obedece e todos os dias sai da sua casa em Duque de Caxias para transar a quilômetros dali, na região mais frequentada durante os Jogos.

A ação envolveu 90 agentes públicos, entre policiais, procuradores e serviços sociais da Prefeitura mas apenas atingiu a ponta do iceberg de uma rede composta por, pelo menos, 40 meninas exploradas sexualmente e que ainda tinham que pagar 50 reais pelo seu direito de ocupar a rua. A suspeita da polícia e do Ministério Público é que os abusos de menores estejam se multiplicando nas vésperas de um evento como a Olimpíada. “Fatalmente é esperado um aumento em razão dos Jogos, e estamos atuando com prioridade em todas as informações de prática criminosa de que tomamos conhecimento”, afirma a promotora de Justiça Ana Lúcia da Silva Melo que assegura que as denúncias vêm aumentando nos últimos meses.

Sem políticas específicas para resgatar crianças vítimas de exploração sexual, operações como essa enxugam gelo, lamentam as autoridades consultadas. Carol, Luciana e Maria reconheceram no mesmo dia que iriam voltar para a rua. Duas semanas depois da ação policial, a praia do Recreio voltava a ser cenário de bordel.

María Martín

Acesse no site de origem: Prostituição infantil com vistas para o Parque Olímpico (El País, 29/07/2016)