Seminário no Recife discute formas de combate à violência doméstica (G1/Pernambuco – 03/10/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Principal foco de discussão é garantir autonomia financeira da vítima. Evento aberto ao público reúne instituições até quarta-feira (5)

Depois das comemorações dos 10 anos de sanção da Lei Maria da Penha, instituições que atuam em Pernambuco se reúnem esta semana para discutir novas formas de combate à violência contra a mulher. O ‘Seminário Internacional Empoderamento e Autonomia Econômica para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica’, que começa nesta segunda-feira (3) e vai até quarta (5), é realizado em três locais: Fórum Rodolfo Aureliano, na Ilha Joana Bezerra; no auditório do Centro de Artesanato do Bairro do Recife; e na Faculdade dos Guararapes, em Piedade, Jaboatão.

Clique para assistir à reportagem

Com entrada de graça, o evento é organizado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) em parceria com o Consulado Geral dos Estados Unidos na capital pernambucana, a Secretaria Estadual da Mulher, o Instituto Maria da Penha e a Faculdade dos Guararapes. Até quarta-feira (5), o público tem a oportunidade de assistir a apresentações de pesquisadores envolvidos na temática, como a americana Ludy Green, especialista em enfrentamento à violência doméstica e ao tráfico de pessoas.

Um dos principais focos de discussão do seminário é como ajudar as mulheres que dependem financeiramente do agressor a se tornarem independentes. Coordenadora da Mulher do TJPE, a desembargadora Daisy Andrade diz que a vítima pode procurar a Justiça. “A mulher pode contar com o apoio das próprias Varas de Violência Doméstica, que contam com uma equipe multidisciplinar formada por psicólogos, assistentes sociais”, afirma.

Ainda de acordo com a desembargadora, as denúncias aumentaram nos últimos anos. “O que a gente percebe é que cada vez mais as mulheres estão se empoderando e se encorajando de buscar ajuda e quebrar esse silêncio, o que é um grande desafio, porque não é fácil vencer esse silêncio, que, para além da dependência econômica, tem a dependência afetiva”, explica. Quem quiser participar pode se inscrever neste link. A organização promete disponibilizar 200 lugares com equipamentos de tradução simultânea para pessoas com deficiência.

Acesse no site de origem: Seminário no Recife discute formas de combate à violência doméstica (G1/Pernambuco – 03/10/2016)