SSP-SP aponta alta em casos de violência contra mulher entre janeiro e maio (Jovem Pan – 12/07/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Apesar de maior exposição do tema, casos de violência contra a mulher continuam crescendo movidos pelo machismo e pela sensação de impunidade. Dados da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo apontam que, de janeiro a maio, houve alta nas tentativas de homicídio, lesão corporal e ameaça.

Neste ano, 16 mulheres foram assassinadas na região metropolitana da capital paulista em ocorrências de violência doméstica. No fim de semana, a polícia resgatou uma mulher que foi torturada por três dias pelo companheiro, que não aceitava o fim do relacionamento.

Clique aqui para ouvir a reportagem

Nesta segunda-feira (11), Fernanda Ferreira dos Santos foi morta com três tiros pelo marido dentro de casa em São Miguel Paulista, na Zona Leste da capital.

A tia da vítima, Solange da Silva, contou que Fernanda, de 33 anos, era ameaçada havia mais de um ano e que era proibida até de ter celular: “ela não tinha amizades com ninguém. Ela cortou relações com a família por conta dele. Ela não tinha celular, não tinha telefone em casa. ela era totalmente desconectada do mundo virtual”.
Solange acrescentou ainda que o assassino da sobrinha achava que Fernanda era propriedade dele.

O pesquisador do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Rafael Alcadipani disse ao repórter Anderson Costa que o problema está ligado à impunidade e ao machismo. “Eu acho que a questão da impunidade é um problema, mas a questão central é que uma relação assim, mesmo que vá punir é uma questão de mentalidade. O ponto central é a mentalidade machista que prevalece no Brasil”, pontuou.

Ele acrescentou ainda que o problema não pode ser solucionado de uma hora pra outra, já que exige uma mudança de mentalidade.

Os casos de violência contra a mulher podem ser denunciados pelo telefone 180, com sigilo absoluto garantido.

Acesse no site de origem: SSP-SP aponta alta em casos de violência contra mulher entre janeiro e maio (Jovem Pan – 12/07/2016)