Suzano tem 2,8 mil inquéritos e 200 ações de violência contra a mulher (Diário de Suzano – 22/05/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Suzano tem 2,8 mil inquéritos em fase de investigação e 200 processos de violência doméstica contra a mulher. Outro dado aponta que o município emite mensalmente 50 medidas protetivas. As informações foram apresentadas durante a palestra “Violência Doméstica: tem solução?”, que foi realizada no último dia 12, na Ordem dos Advogados (OAB).

Os números foram passados por uma palestrante que trabalha no Anexo de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Uma das idealizadoras do encontro e presidente da Comissão da Mulher Advogada disse que as informações põem em evidência a falta de políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica.
“É preciso que fomentemos mais o assunto, já que há muitos casos que não são computados. Isto porque a Secretaria de Segurança Pública (SSP) não especifica o sexo, por exemplo, das vítimas de lesão corporal e, algumas vezes, de homicídio”, criticou Patrícia Braga.

Patrícia destacou que o órgão realiza mensalmente palestras deste tipo na sede da OAB. E também que a questão tem sido satisfatória, já que mais mulheres recebem informações sobre seus direitos. “O atendimento tem sido melhor do que antes. Realizamos 15 atendimentos mensalmente de mulheres vítimas de violência. Também damos uma orientação jurídica, além de a encaminharmos para acompanhamento psicológico”, explicou.

Ela contou ainda que o número de medidas protetivas é alarmante, mas que traz outro ponto específico a ser abordado: o agressor pode ser um bom pai. “O afastamento resulta em nenhum contato, como telefone, pessoal e etc. Mas há também algo complexo por causa dos filhos. Tem toda uma questão que o judiciário tem que lidar porque precisa priorizar a questão social”.

TRABALHO

Ao DS, a presidente da comissão relatou que pretende aumentar o número de atividades feitas pelo órgão. “Foi abordado à questão pioneira que a cidade se tornou. Este trabalho começou a ser desenvolvido em 1998, quando começaram os atendimentos voltados às mulheres. A intenção é aprimorarmos o que já foi feito, e conseguir mais conquistas”.

Patrícia relembrou que após o café da manhã realizado na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Suzano, o número de advogadas voluntárias aumentou. Passando de 30 para 45.

Ela ressaltou ainda que a comissão está organizando um ato para comemorar 10 anos da Lei Maria da Penha, em agosto deste ano. “Isso vai demonstrar a importância que a Lei tem para a mulher e, possivelmente, trazer mais pessoas que se engajem no tema”.

“Tudo o que foi feito é uma conquista. A mulher deve ser respeitada como pessoa. Sem descriminação de gênero”, finalizou.

Acesse no site de origem: Suzano tem 2,8 mil inquéritos e 200 ações de violência contra a mulher (Diário de Suzano – 22/05/2016)