Violência contra a mulher tem média de 6 chamados por dia na Capital do MS (Correio do Estado – 15/05/2017)

Em quatro meses, a Patrulha Maria da Penha atendeu 1.401 diligências e 741 ocorrências prestando auxílio a quem solicita medida preventiva. As diligências são atendimentos que acontecem por telefone, já as ocorrências são visitas dos guardas civis até a residência da vítima que solicitou o atendimento.

Comandada pela Guarda Civil Municipal (GCM), a equipe atua na Casa da Mulher Brasileira e o atendimento é contabilizado mensalmente. 

A chefe de divisão da patrulha, Nélis Braúna, explicou que a equipe também faz acompanhamento da vítima via telefone, repassando orientações.

“A Guarda Civil Municipal atendeu, no período de janeiro a abril deste ano, 741 ocorrências. Quando a vítima liga pedindo ajuda, nós deslocamos com a viatura até a residência para atender. Pode ser conter o agressor ou até mesmo para trazer a vítima até a Casa da Mulher Brasileira”, explicou Nélis.

A patrulha também atendeu casos de violência doméstica envolvendo agressões de filhos. Nélis citou como exemplo o caso de uma mulher de 76 anos, agredida pelo filho de 46 anos, que é usuário de droga.

A guarda civil municipal Ana Cristina Cardoso, comandante de uma das viaturas, pontuou que em cada visita a patrulha faz relatório e essas informações são repassadas à equipe que acompanha as mulheres que solicitam medida protetiva.

FRAGILIZADA

Segundo Ana Cristina, o cuidado no tratamento destas mulheres é diferenciado, pois a maioria está fragilizada por toda situação de violência. “Damos tratamento humanizado e orientação correta às vítimas. Para fazer este trabalho, passamos por um curso de capacitação específico, que tivemos na Guarda Municipal”, explicou.

A Patrulha Maria da Penha tem uma equipe de 25 guardas municipais, incluindo 10 mulheres, que atuam 24 horas no atendimento a ocorrências de violência contra a mulher. Se houver flagrante, o agressor é preso e conduzido à Delegacia da Casa da Mulher Brasileira.

Na Casa da Mulher Brasileira há ainda o serviço do Ministério Público, que dá encaminhamento ao Poder Judiciário.  Nos casos em que a mulher já sofreu a violência, ela é conduzida até a unidade, onde recebe assistência psicológica e jurídica.

A Patrulha Maria da Penha conta com duas viaturas exclusivas para realizar as ocorrências e atendimento em Campo Grande. Uma guarda municipal sempre atua na viatura para ajudar em algum modo de não constranger a vítima durante os chamados.

Quem atua no serviço especializado precisou ser capacitado pela Delegacia da Mulher, Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres e Defensoria Pública.

NÚMEROS RUINS

Pesquisa do Observatório da Mulher contra a Violência, que é ligado ao Instituto de Pesquisa DataSenado, mostrou que em Mato Grosso do Sul o aumento de assassinatos de mulheres pretas ou pardas foi de 53% e o número de estupros chega a 106,3 casos em grupo de 100 mil mulheres, o terceiro pior resultado do país.

Essa análise foi divulgada em fevereiro deste ano, com dados de 2014 do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde.

Acesse no site de origem: Violência contra a mulher tem média de 6 chamados por dia na Capital (Correio do Estado – 15/05/2017)