Violência contra mulher: G1 lista no ES mais de 180 casos em 5 anos (G1/Espírito Santo – 05/08/2016)

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

Veja as reportagens publicadas no Espírito Santo, de 2011 a julho de 2016. Bárbara, Ana Clara, Gabryella, Arielle, Araceli… relembre os casos.

Elas foram mortas, torturadas, violentadas, estupradas, queimadas, feridas, baleadas. A violência contra a mulher é registrada com frequência no Espírito Santo. Essas mulheres, e às vezes até meninas, sofrem violência de quem menos esperam.

G1 lista no  ES mais de 180 casos em 5 anos  (Foto: Arte/ TV Gazeta)

No ano em que a Lei Maria da Penha completa 10 anos, o G1 compilou as notícias que foram publicadas de 2011, quando o portal começou no estado, até julho de 2016.
O número é preocupante: foram mais de 180 casos em cinco anos.Na maior parte dos casos, o nome das vítimas não são divulgados, ou há poucas informações sobre o que aconteceu.
Mas muitas são as notícias de grávidas espancadas pelos seus companheiros, mulheres torturadas pelos seus maridos, namoradas que são mortas por vingança. A lista é extensa.
São poucos casos em que há informação sobre o que aconteceu com as vítimas após a agressão.

Já em outras situações, os casos ganharam repercussão. Confira as 10 histórias mais marcantes noticiadas sobre violência contra mulher no Espírito Santo nos últimos cinco anos:

Bárbara foi morta pelo ex após fotos sensuais vazarem na web

Bárbara Richardelle tinha 18 anos quando apareceu morta na Rodovia Darly Santos, em Vila Velha, em março de 2014.O corpo estava com sinais de estrangulamento, com o olho roxo e uma lesão na cabeça. Dias antes, fotos sensuais da jovem tinham vazado na internet.

Bárbara Richardelle (Foto: Reprodução/ Facebook)

O principal suspeito do crime era o ex-namorado Christian Cunha. Ele confessou a morte e disse ainda que depois de ter estrangulado Bárbara, comeu churrasquinho com refrigerante de guaraná ao lado do corpo.

Em 2016, o caso foi julgado e Christian, que já estava preso, foi condenado a 15 anos de prisão.

Ana Clara foi morta a tiros e namorado PM é o principal suspeito

Ana Clara Cabral tinha 19 anos quando foi encontrada morta na Rodovia do Contorno, em fevereiro de 2015. Ela ficou alguns dias desaparecida e tinha sido vista pela última vez ao sair de uma reunião de família em companhia do namorado, o policial militar Itamar Rocha Lourenço.

Namorado de Ana Clara é policial militar (Foto: Reprodução/ Instagram)

O namoro, segundo amigos e familiares, era conturbado. Itamar nega ser o responsável pela morte de Ana Clara, mas está sendo julgado por ter cometido o crime.

Arielle foi morta com um tiro na boca durante ato sexual com namorado

Arielle Martins Pardinho tinha 21 anos quando foi morta com um tiro na boca enquanto fazia sexo com o namorado, em Linhares, no ano de 2012.

Arielle Martins que foi morta no Espírito Santo (Foto: Arquivo Pessoal)O namorado, Marcos Rogério Amorim dos Santos, disse que a arma estava sendo usada como objeto de fetiche durante o ato sexual. Durante a reconstituição do crime, a polícia disse que Marcos tinha intenção de matar a namorada.

Rosemary foi morta em apartamento e marido diplomata espanhol confessa

Rosemary Justino Lopes tinha 56 anos, quando foi encontrada morta na cobertura de um prédio em Jardim Camburi, Vitória, no dia 12 de maio de 2015.

O marido dela, um diplomata espanhol, confessou ter matado a mulher à facadas, mas disse que foi em legítima defesa. Eles eram casados há quase trinta anos.Casamento de espanhol, Jesús Figón, e capixaba era marcado por brigas, diz polícia (Foto: Arquivo Pessoal)

Jesús Figón vai à júri popular no Espírito Santo. A data do julgamento ainda não foi marcada porque a defesa do espanhol entrou com recurso.

Nádia Guerra, morta pelo marido no Espírito Santo (Foto: Arquivo Pessoal)Nádia Guerra foi morta pelo marido, que citou Lei Maria da Penha no Facebook horas antes

Nádia Guerra foi morta dentro de casa em São Gabriel da Palha, na região Noroeste do estado, em março de 2013. Dias antes do crime, o marido de Nádia tinha sido preso por agredir a mulher, mas ela mesma pagou a fiança para que ele fosse solto.

O marido fugiu levando o filho mais novo do casal, que tem Síndro de Down. O outro filho, mais velho, publicou no Facebook que a mãe tinha morrido e que o pai tinha feito isso.

O marido de Nádia foi detido em Mantena, Minas Gerais, mas ficou calado durante todo o depoimento. Antes de cometer o crime ele havia postado na rede social um trecho sobre a Lei Maria da Penha.

Cenimara foi morta e ex-namorado que não aceitava fim do relacionamento é suspeito

A estilista Cenimara Freitas Cortes Ribeiro, de 28 anos, foi morta a tiros no portão da casa onde morava em Baixo Guandu, no dia 14 de agosto de 2013.

Estilista é morta a tiros em Baixo Guandú. (Foto: Reprodução / TV Gazeta)

O principal suspeito do assassinato é o ex-namorado da jovem. Familiares da vítima contaram que o rapaz não aceitava o fim do relacionamento e que perseguia Cenimara.

Ainda em 2013, a Justiça determinou a prisão de Jaime Feitosa, também conhecido como Cigano.

Jovem está desaparecida há uma semana (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Andriele foi encontrada morta em cafezal

Andriele Aparecida Ambrozini, de 18 anos, saiu de casa no dia 13 de maio de 2015, avisando à família que iria a casa de um vizinho, antes de ir ao trabalho, para buscar o dinheiro de uma venda de perfume.

Depois, a jovem não foi mais vista. O corpo dela foi encontrado em uma cova rasa no meio de um cafezal, no dia 23 de maio, e o vizinho, suspeito do crime, foi preso.

A casa do lavrador Edimar Aparecido da Silva, de 26 anos foi incendiada dias depois. A polícia disse que ato foi feito pelos primos da jovem morta.

Gabryella foi morta a facadas e namorado manda vídeo de estupro para mãe dela

Gabryella Oliveira Bonfim tinha 24 anos, quando foi morta a facadas pelo namorado, em junho de 2013. Antes disso, ela foi estuprada pelo mesmo rapaz, que ainda enviou o vídeo do estupro para a mãe de Gabryella.

Gabryella foi abusada sexualmente e morta a facadas (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

Thiago Rosa do Sacramento, de 25 anos, confessou o crime e foi preso. Ele disse que matou Gabryella, porque ela havia se insinuado para outro homem. “Como é que a menina fala que me ama, é minha namorada e vai querer se engraçar pra cima de outro? O ódio tomou conta de mim. Infelizmente aconteceu essa merda e agora eu vou ter que pagar”, disse na época.

Keverlyn foi morta e encontrada nos fundos de uma oficina (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)Kevelyn tinha 10 anos quando foi encontrada morta nos fundos de oficina

Kevelyn era uma menina de 10 anos que teve a vida interrompida após ser estuprada e morta em Vargem Alta. O corpo dela foi encontrado nos fundos de uma oficina

Um funcionário da oficina, de 24 anos, que costumava dormir perto do local onde a criança foi encontrada, era o principal suspeito e chegou a ser agredido por moradores. Ele foi hospitalizado, não resistiu aos ferimentos e morreu.

Araceli, o caso mais emblemático de violência no Espírito Santo

Araceli Cabrera Crespo tinha 8 anos quando foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada, no Espírito Santo, em 1973. Em 2016, o desaparecimento da menina completou 43 anos, mas ninguém foi punido pelo crime. Após a prisão, julgamento e absolvição dos acusados, o processo foi arquivado pela Justiça.

Araceli Cabrera Crespo (Foto: Arquivo/ A Gazeta)

Em memória à menina Araceli, uma das mais emblemáticas vítimas de violência contra a criança no país, o dia 18 de maio foi instituido como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, com a aprovação da Lei Federal 9.970/2000.

Viviane Machado
Do G1 ES

Acesse no site de origem: Violência contra mulher: G1 lista no ES mais de 180 casos em 5 anos (G1/Espírito Santo – 05/08/2016)